Moradora critica aumento no IPTU de SP: 'o serviço não acompanha o que pagamos'

Bruno Ribeiro e Fabio Leite

São Paulo

Embora a revisão da Planta Genérica de Valores (PGV) de São Paulo preveja um reajuste médio de 43%, há lugares na cidade em que os valores venais dos imóveis devem subir até 193%. Uma das ruas "campeãs" na nova tabela é a Gabriele D’Annunzio, no Campo Belo, zona sul paulistana, onde a previsão é de que os valores venais fiquem 157% maiores.

Trata-se de uma via bem arborizada e com asfalto irregular, paralela à Avenida Jornalista Roberto Marinho. Ali, sobrados antigos e geminados, típicos do Campo Belo, convivem com arranha-céus residenciais, de altíssimo padrão, feitos de vidro e aço, que vão do miolo do bairro até a Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini. A mistura do bucólico com o moderno só é interrompida por alguns restaurantes instalados nas esquinas - que no calor do domingo estavam cheios.

É em um dos sobrados da rua que a empresária Ana Wang, de 44 anos, vive com a família e seus dois cachorros há oito anos. Ana reside na região há 20 anos e diz gostar do bairro. Mas ficou incrédula ao ouvir o porcentual de aumento sugerido no valor venal de sua casa. "Vai aumentar 157%? Quem disse isso?", indagou - ainda sem entender a informação de que esse aumento não aparecerá de forma total no boleto do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) que será cobrado no ano que vem.

A primeira reação, aliás, foi avaliar o custo-benefício de pagar impostos, como se a cobrança fosse facultativa. "O serviço que é prestado não acompanha o que a gente paga", afirmou ela.

Ana cita como exemplo uma recente ação de recapeamento ocorrida no bairro - que se limitou a um trecho da rua. "Não nos deixaram dormir", diz, ao criticar o serviço feito no período noturno. A empresária também comenta, de forma negativa, o valor do imposto em si. "Neste ano, eu tive de parcelar o pagamento. E me inscrevi no PPI (Programa de Parcelamento Incentivado, que reduz multa e juros). É a crise", afirma.

Inundação

Na revisão, áreas inundáveis no bairro do Morumbi, na zona sul, são as que terão maior redução de valor venal - chegando a uma queda de até 27%.

A gestão do prefeito João Doria (PSDB) pretende aumentar em 43%, em média, o valor venal dos imóveis da cidade de São Paulo e vai enviar até outubro à Câmara Municipal projeto de lei criando novas alíquotas do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos