PT recua e defende adiar votação no Senado que pode beneficiar Aécio

Felipe Frazão e Thiago Faria

Brasília

Depois de a Executiva Nacional do PT apontar uma "hipertrofia" do Judiciário e defender que o Senado "repelisse a violação de sua autonomia" pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no caso em que afastou do mandato o senador Aécio Neves (PSDB-NG), os senadores do partido decidiram nesta terça-feira, 3, defender o adiamento da votação que poderia restaurar os direitos do tucano.

Segundo o senador Humberto Costa (PT-PE), a decisão é unânime da bancada petista. O líder da minoria no Senado afirmou que o partido defende o adiamento até o julgamento pelo pleno da Corte, no dia 11 de outubro, da ação direta de inconstitucionalidade (Adin) sobre o cumprimento de medidas cautelares por parlamentares, afeita ao caso Aécio.

"Se a gente tomar uma decisão antes de o Supremo se posicionar, essa decisão só vai valer para o Aécio. Se a gente resolver que ele não vai cumprir essas determinações, e o Supremo decidir lá na frente que é para cumprir, só vai valer dali em diante, para outros casos. A decisão do Senado tem que valer para todos, não só para um. E estamos vivendo uma crise institucional. Qual interesse temos em aprofundar essa crise se o Supremo fez um gesto de boa vontade ao pautar a data da votação da Adin?", indagou Costa.

O PT sofreu forte pressão, inclusive interna, pela nota da Executiva Nacional, que foi vista como uma defesa de um adversário político que articulou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. A bancada estava rachada entre a defesa ou não da intervenção do Senado no caso.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos