CPMI da JBS aprova sessão secreta para ouvir advogado Willer Tomaz de Souza

Thiago Faria

Brasília

A CPMI da JBS no Congresso decidiu nesta quarta-feira, 4, aprovar o depoimento do advogado Willer Tomaz de Souza em sessão secreta. O advogado é suspeito de ter interferido na negociação da delação premiada do empresário Joesley Batista, da JBS, ao intermediar o pagamento de propina para que o procurador Ângelo Goulart Villela vazasse informações de investigações em curso. Ele foi preso no dia 18 de maio, durante a Operação Patmos.

Em sua delação premiada, Joesley disse que conheceu Villela por meio de Tomaz de Souza, contratado para defender a Eldorado, empresa da holding J&F. O procurador teria recebido pagamentos mensais de R$ 50 mil para beneficiar a empresa.

De acordo com o Ministério Público Federal, Souza usou de sua relação com Villela, integrante da força-tarefa da Greenfield, "para obter informações sigilosas sobre a operação e repassar a seus clientes".

O advogado apresentou pedido para a CPMI para que a sessão fosse secreta pelo fato de o processo contra ele estar em sigilo. O requerimento foi aprovado de forma secreta pelos parlamentares presentes na sessão.

A CPMI tem como objetivo investigar irregularidades envolvendo a empresa de processamento de carnes e o acordo de delação premiada que a empresa firmou com a Procuradoria-Geral da República.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos