Bonifácio nega traição do PSDB e se diz honrado por ter vaga do PSC na CCJ

Daiene Cardoso

Brasília

Com sua permanência garantida na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, o deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) negou ressentimento com a cúpula do partido por tê-lo destituído do colegiado. Na tarde desta quinta-feira, 5, o PSC cedeu sua única vaga de suplente no colegiado para que o tucano continuasse na relatoria da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

Bonifácio disse que sua destituição se deveu ao fato de a liderança do PSDB concluir que sua permanência na comissão não era conveniente e reconheceu o conflito criado na bancada a partir da sua indicação. Ele atribuiu a decisão a um ato político "da consciência" do líder Ricardo Trípoli (SP), que apesar da "elegância" e da "delicadeza" no trato dispensado a ele, acabou retirando-o da comissão. Ele negou que tenha se sentido traído pelo partido. "De forma alguma, isso faz parte do jogo político", respondeu.

O tucano contou que aceitou o convite para relatar o processo por entender que era sua obrigação ajudar a CCJ. E agradeceu o espaço cedido pelo PSC para continuar no colegiado. "Me honrou muito ser o PSC, que me abriu as portas para que eu continuasse aqui", afirmou.

O deputado deve entregar seu parecer na próxima terça-feira, 10, e disse que não pretende procurar nem os advogados de defesa, nem os acusadores. "Não é bom conversar direito com advogados dos denunciados. Ficaria confuso", alegou.

Como relator, Bonifácio tem direito a voto na votação da segunda denúncia, mesmo estando na suplência do PSC. Assim, o tucano substituirá o voto do único titular do PSC na comissão, o líder do governo no Congresso, deputado André Moura (SE).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos