Alckmin diz que investigação da Lava Jato da PM será 'rigorosa'

Isabela Palhares

São Paulo

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse na manhã desta sexta-feira (6) que a investigação da Operação Imperador, a chamada Lava Jato da Polícia Militar de São Paulo, será "rigorosa". O caso envolve fraudes em centenas de contratos ligados ao Comando-Geral da PM entre 2005 e 2012. Cerca de R$ 200 milhões teriam sido desviados.

"A Corregedoria da Polícia Militar já está investigando, o tenente-coronel (José Afonso Adriano Filho) já está preso e a investigação será rigorosa tanto da polícia, como do Ministério Público", disse o governador.

Adriano Filho é o principal acusado da operação. Ele afirma ter provas contra 18 coronéis da polícia e de que apenas cumpriu ordem de superiores. Ele está negociando um acordo de delação premiada com o Ministério Público Estadual.

O tenente-coronel confessou que, entre 2005 e 2011, o setor em que ele trabalhava, o Departamento de Suporte Administrativo (DSA), efetuou compras e obras sem que isso estivesse previsto na lista de encargos dessa unidade gestora.

Ele está preso desde o dia 9 de março, sob suspeita de ter ameaçado uma testemunha.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos