Aécio pode ir ao plenário do Senado se defender, diz defesa do senador

Thiago Faria, Julia Lindner e Renan Truffi

Brasília

Afastado do mandato parlamentar por decisão do Supremo Tribunal Federal, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) poderá ir ao plenário do Senado se defender. Segundo seu advogado, Alberto Toron, embora a decisão do Supremo determine o afastamento do mandato, não se confunde com o seu direito de defesa.

"Penso ser possível que ele faça sua própria defesa, pois isso não se confunde com o exercício do mandato. Trata-se apenas do exercício do direito de defesa que não lhe foi suprimido", disse Toron.

A reportagem consultou a Mesa Diretora do Senado, que também entende não se tratar de desrespeito à decisão do Supremo uma eventual ida de Aécio ao Senado para se defender. A votação sobre a decisão que afastou o tucano e determinou o seu recolhimento noturno está marcada para ocorrer nesta terça-feira, 17.

A votação foi confirmada após o STF decidir, na semana passada, que cabe ao Legislativo dar aval a medidas cautelares impostas contra parlamentares. Para se livrar das restrições impostas pela Corte, Aécio precisa de ao menos 41 votos. No entendimento do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), é necessária a mesma quantidade de votos para manter a decisão.

A assessoria do senador não respondeu aos questionamentos da reportagem se ele pretende se defender pessoalmente no plenário.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos