Turismo na Chapada caiu até 90% com incêndio, apontam empresários e operadores

Adriana Moreira

Empresários e operadores de turismo que trabalham na Chapada dos Veadeiros estimam que até 90% do movimento tenha sido reduzido com o incêndio. Apesar da gravidade, eles apostam numa recuperação rápida. Segundo os agentes, a maior parte das atrações turísticas está fora do perímetro do parque e, portanto, não foi diretamente afetada. No parque, a área aberta ao turismo tem quatro trilhas abertas - dessas, duas são as mais visitadas: a dos Saltos e a dos Cânions.

"As pessoas estão com medo de vir, mas só o parque nacional está fechado", diz Hare Sol, sócio da agência de receptivo local Travessia Ecoturismo. Atrações como o Cânion Raizama e a Morada do Sol, em propriedades particulares, não foram atingidas.

Sol explica que, na região, os incêndios são comuns e a vegetação do Cerrado tem a capacidade de se regenerar rapidamente. "Com o incêndio controlado, em oito ou dez dias ela começa a rebrotar", conta.

Jota Marincek, diretor da operadora Venturas, de São Paulo, também está otimista. "Há uns dois anos, a Chapada Diamantina (na Bahia) passou por algo parecido. O impacto no turismo é pontual", diz. "O Cerrado tem o fogo no seu ciclo. Na Diamantina, após o incêndio, surgiram muitas flores."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos