Operação Lava Jato

PF indicia na Lava Jato filha do delator Pedro Corrêa

Julia Affonso

Em São Paulo

  • Montagem

    PF vê indícios de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo Aline

    PF vê indícios de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo Aline

A Polícia Federal indiciou a ex-deputada federal Aline Corrêa (PP-SP) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato. A ex-parlamentar é filha do também ex-deputado Pedro Corrêa, delator do esquema de propinas instalado na Petrobras.

O inquérito contra Aline havia sido instaurado a partir da delação do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. O relatório de indiciamento foi entregue pela PF na segunda-feira (30) e cita ainda o doleiro Alberto Youssef e a empreiteira UTC, controlada pelo executivo Ricardo Pessoa. Todos são delatores.

"Entendo que há indícios de autoria e materialidade quanto à prática, por Aline Corrêa, do crime de lavagem de dinheiro e corrupção, uma vez que aderiu à conduta criminosa de Pedro Corrêa, Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa, e tendo provido os meios materiais para a ocultação/dissimulação de recursos, recebendo recursos em espécie por determinação de seu pai, e tendo atuado para recebimento de recursos inclusive em benefício de sua campanha eleitoral de 2010 (no caso das doações realizadas por UTC e Constran)", afirmou a delegada Renata da Silva Rodrigues, da PF.

Paulo Roberto Costa relatou que Aline "deveria ter algum tipo de beneficio oriundo dos recebimentos do partido a partir da cota devida pelos contratos firmados no âmbito da Diretoria de Abastecimento da Petrobras".

Costa declarou que a ex-deputada "nunca" havia pedido pessoalmente valores a ele, mas que lembrava de Aline "porque participava de algumas das reuniões com o grupo principal de dirigentes do PP, em razão de ser filha de Pedro Corrêa".

A PF elencou no relatório os acessos de Aline a endereços comerciais do doleiro. Aline esteve, segundo os investigadores, em um escritório na Avenida São Gabriel, em São Paulo, por 15 vezes, de agosto de 2010 a setembro de 2012, e por 6 vezes, de agosto de 2013 a janeiro de 2014 no endereço da Rua Renato Paes de Barros.

Alberto Youssef declarou que Aline Corrêa "recebia um repasse mensal dos líderes do PP no montante de R$ 30 mil, oriundos dos recursos do caixa do Partido Progressista na Petrobras". O doleiro relatou que a ex-deputada 'ia toda segunda ou sexta-feira' a seus escritórios 'para reclamar que seu pai e demais dirigentes do PP não estavam fazendo os devidos repasses' e pedia que ele realizasse os repasses diretamente a ela.

Ouvida como colaboradora da Justiça, Aline Corrêa afirmou que esteve no escritório do doleiro 'para pegar dinheiro a pedido de seu pai'. "Esclarece, no entanto, que não sabe indicar os valores que recebeu diretamente de Alberto Youssef, mas sabia informar que era sempre dinheiro em espécie, acondicionado numa sacola de papel: que seu pai alegava que era um crédito que ele possuía junto a Alberto Youssef", disse.

De acordo com o depoimento, Aline narrou que seu 'papel' limitava-se a receber o dinheiro, 'sempre das mãos de Youssef, e guardar em seu flat até que seu pai passasse e o pegasse lá'.

O relatório da PF afirma que 'muito embora Aline, colaboradora da Justiça, alegue que ia até o escritório de Youssef para retirar recursos que, na verdade, pertenciam a seu pai, fato é que a própria declarante confirma ter conhecimento de que a origem dos recursos era o esquema criminoso comandado pelo PP na Diretoria de Abastecimento da Petrobras', narra a delegada Renata Rodrigues, da PF.

A defesa de Aline Corrêa foi procurada pela reportagem, mas ainda não se manifestou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos