Surgem primeiros indícios de recuperação ambiental em Mariana

Roberta Jansen, enviada especial

Mariana (MG)

Dois anos depois da tragédia de Mariana, começam a surgir os primeiros indícios do retorno de animais silvestres às margens do Rio Doce e de seus afluentes. Segundo a presidente do Ibama, Suely Mara Vaz de Araújo, de 55 anos, dada a extensão e a gravidade da tragédia, esta é uma boa notícia. Também é comemorado o fato de que a água destinada ao abastecimento voltou a ser potável.

"Os efeitos ambientais de um desastre desse porte são complexos e de grande magnitude. No que diz respeito ao meio ambiente, passamos de uma fase de emergência para a de recuperação ambiental."

Construções em Bento Rodrigues garantiram a contenção da lama e impediram que uma nova tragédia acontecesse. Começa a ser aplicado agora um plano de manejo dos rejeitos, com soluções para cada trecho afetado.

Ao longo do Rio Doce foram instalados mais de 50 estações de controle, o que faz dele o rio mais bem monitorado do País. "Já no que diz respeito à recuperação florestal, temos décadas de trabalho pela frente. É uma tragédia muito grande e seus efeitos são dramáticos." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos