'Assessorar alguns políticos compromete mais que se associar à boca de fumo', diz delegado

Fausto Macedo, Julia Affonso e Luiz Vassallo

São Paulo

  • Rovena Rosa - Agência Brasil

    Agentes da PF na sede de São Paulo da Odebrecht

    Agentes da PF na sede de São Paulo da Odebrecht

Jorge Pontes, delegado da Polícia Federal aposentado, ex-coordenador-geral da Interpol no Brasil, ex-adido da PF em Paris e formado pela Academia Nacional do FBI em Virgínia, alerta que colegas estão sendo "abduzidos" pelo poder político.

Ele avalia que "assessorar alguns políticos é mais comprometedor que se associar a uma boca fumo". Pontes afirma que o país quer "ouvir o barulho de uma porta de ferro da cadeia trancando senadores, governadores, deputados, ministros, empresários corruptores".

Após 30 anos de PF, primeiro como agente federal, depois como delegado, Pontes leva no currículo passagens por setores estratégicos da corporação e investigações complexas numa época em que os recursos eram escassos. Por exemplo, ele descobriu a farsa do célebre "Dossiê Cayman", um punhado de papeis montados por estelionatários que pretendiam vender a opositores informações forjadas contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995/2002).

O país vive um momento de apreensão com relação à corporação que, nos últimos anos, se notabilizou no combate sem tréguas à corrupção, culminando na Operação Lava Jato, a maior de todas as missões já desfechadas contra fraudadores do Tesouro.

A incerteza ganhou força com a troca de comando da PF. Sai Leandro Daiello, que dirigiu a instituição durante 6 anos e dez meses - desde 2011 -, entra o delegado Fernando Segóvia, que traz consigo o rótulo de um policial ligado ao ex-presidente José Sarney, por isso acabou escolhido pelo presidente Michel Temer.

Em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", Jorge Pontes diz que "uma nuvem sombria tomou o céu e a sociedade está paralisada, estática, sem reação".

Estamos vivendo um momento extremamente delicado, em que as forças do crime institucionalizado estão se reagrupando para contra-atacar a Lava Jato e evitar de todas as maneiras as suas respectivas consequências, a saber, a punição dos poderosos envolvidos."

Questionado sobre o futuro da corporação, Pontes falou: "vejo o futuro da corporação da mesma forma que vejo o futuro do Brasil. Para onde for o Brasil, irá a PF. Estão engatadas", afirmou. O delegado também disse que a PF tem autonomia "no DNA de cada policial. É da nossa natureza, enquanto vivemos o dia a dia na Federal, nos blindamos contra interferências externas. Está aí a Lava Jato para comprovar".

Sobre a interferência política no trabalho dos delegados federais, Pontes disse que "os políticos tentam, mas há uma blindagem no DNA do delegado, do agente, enfim, de todos os policiais, principalmente quando ele está abrigado pelo ambiente institucional da PF".

Ele afirmou que "o país foi tomado por uma gangue de ladrões e fraudadores, formada por políticos muito poderosos" e "iniciou-se, então, um movimento, por parte de alguns desses poderosos, para tentar minar a Polícia Federal, tendo o propósito de furar o bloqueio que a instituição sempre se impôs, furar a resistência natural da cultura da nossa instituição".

A obtenção de informações privilegiadas sobre as nossas operações e inquéritos sempre foi o objetivo maior desses políticos, pois, afinal, eles precisam se proteger. De uns tempos para cá, mormente após o início da era das megaoperações da Polícia Federal, iniciou-se uma prática que vem passando batida aos olhos da sociedade: a abdução de delegados da PF".

Segundo Pontes "esse expediente começou com os convites dos governadores para que delegados assumissem as suas Secretarias de Segurança Pública. Muito embora haja delegados com currículo e história profissional na carreira de Polícia Judiciária, que justificaram tais convites, muitos delegados que assumiram essas posições são colegas com mais habilidade política do que policiais. Enfim, há um número considerável desses delegados com carreiras que podem ser classificadas como inexpressivas".

"Os políticos, já que não podiam indicar gente de fora para as funções de comando no âmbito da Polícia Federal, identificaram uma forma de ter, futuramente, um delegado 'para chamar de seu'. Nascia aí, de forma quase que silenciosa e incipiente, o golpe da abdução do delegado federal e, por conseguinte, a figura do 'delegado pet'", afirma. "É bom lembrar que secretários de Segurança são também chefes das Polícias Civis, que são polícias investigativas, judiciárias".

"Assim ocorre com esses colegas, que raramente conseguem retornar 'inteiros' para a Polícia Federal. Impende ressaltar, para não haver generalização injusta, que há casos de delegados federais valorosos que assumiram Secretarias de Segurança Pública que não se deixaram levar por manobras políticas de seus chefes, os governadores".

"Temos que entender, de uma vez por todas, que o cenário político brasileiro foi totalmente tomado pela corrupção, por uma quadrilha institucionalizada de delinquentes, e que isso, por si só, já seria suficiente para que homens da lei, autoridades policiais, tomassem, por cautela, uma distância mínima regulamentar dessa classe de pessoas, que a tudo influencia e a todos contamina", continuou o delegado.

"A segunda onda dessas 'abduções' foi bem menos disfarçada. Ministros de Estado ou senadores da República, muitos desses, alvos de investigações da Polícia Federal, convidaram delegados para 'assessorá-los' em seus gabinetes, ou para cargos bem remunerados na estrutura do Senado ou dos Ministérios que comandam, respectivamente. Infelizmente, alguns superintendentes regionais, por carreirismo ou fraqueza, acabam igualmente sendo 'abduzidos', pela política no âmbito do Estado que abriga a unidade da PF que comandam".

"Aceitar assessorar alguns políticos é, hoje em dia, no Brasil, mais comprometedor e prejudicial para a reputação de um delegado federal do que se associar a uma boca de fumo. Há casos de policiais federais que, desde que saíram da Academia, alguns há mais de dez anos, foram convidados para trabalhar com senadores. Em suma, nunca trabalharam numa unidade da Polícia Federal".

"Esses policiais chegam à classe especial sem nunca terem exercido as funções na PF. Essa situação de 'policiais de estimação de políticos' seria inconcebível no FBI. Temos delegados federais que foram, ou ainda estão, cedidos a diversos políticos, muitos deles alvejados pela Operação Lava Jato", disse.

Segundo Pontes, a sociedade tem que "exigir o fim dessa prática deletéria e perniciosa. A sociedade brasileira está assistindo ao novo diretor-geral da Polícia Federal nomear delegados 'politizados', ligados a políticos, isto é, a governadores e a senadores, e alguns desses policiais, inclusive, já teriam sido filiados a partidos políticos. E o Brasil decerto está se perguntando como pode haver um delegado federal do PMDB, do PSDB ou do PT? Ou como um delegado na ativa pode ter descambado para a atividade político-partidária?", disse.

Perguntado sobre o que muda na PF com a escolha de um diretor (Fernando Segóvia) ligado ao PMDB e ao ex-presidente Sarney, Jorge Pontes respondeu: "Eu nem sei se o atual diretor é ligado ao Sarney. Li na imprensa. Vamos ver os próximos movimentos da sua administração. Vamos observar com atenção".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos