Eleições 2018

Ação atinge 20 anos de poder do PMDB-RJ e aumenta incertezas para 2018

Wilson Tosta

Rio

  • Rodrigo Menezes/Futura Press/Estadão Conteúdo

    14.nov.2017 - Picciani é escoltado por agentes da PF para depoimento na Operação Cadeia Velha

    14.nov.2017 - Picciani é escoltado por agentes da PF para depoimento na Operação Cadeia Velha

A ofensiva do MPF (Ministério Público Federal) e da Polícia Federal contra o esquema de corrupção que envolveria a Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) implodiu o que restava do PMDB no Estado e elevou ainda mais a incerteza que cercará a eleição estadual de 2018. O presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), ao lado do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) e do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB), comandou a política fluminense nos últimos 20 anos. Do trio, apenas Picciani ainda não foi alvo de prisão, apesar de já haver um pedido feito pelo MPF.

A condução coercitiva imposta a Picciani pelo desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), tem potencial para encerrar um ciclo de poder iniciado no Rio há duas décadas, período em que um grupo de políticos ligados à cúpula do Legislativo estadual influiu fortemente nos governos estaduais e, depois, ascendeu ao comando do Executivo local.

A Operação Cadeia Velha, ao atingir a Alerj, recua o tempo político fluminense até 1995, quando foi montado o tripé que comandaria o Palácio Tiradentes pelos 22 anos seguintes. O grupo era formado por Cabral na presidência da Alerj, Picciani na 1.ª Secretaria e o deputado Paulo Melo na liderança, primeiro do PSDB, depois do PMDB.

Esses três políticos, ao longo de mais de duas décadas, influíram nos governos Marcello Alencar (1995-1998), Anthony Garotinho (1999-2002), Benedita da Silva (abril a dezembro de 2002) e Rosinha Garotinho (2003-2006).

A partir de 2007, assumiram diretamente o Palácio Guanabara, com Cabral à frente, e, no embalo do projeto olímpico, conquistaram a prefeitura da capital em 2008 e 2012, com Eduardo Paes (PMDB).

O PMDB do Rio já se preparava para enfrentar no ano que vem um cenário de dificuldades após comandar o Estado por quatro governos seguidos. Os motivos vão da prisão de Cunha, um forte arrecadador e financiador de campanhas locais, à falência do Estado justamente nas mãos do PMDB, além das consequências do escândalo de corrupção envolvendo o governo Sérgio Cabral, que já foi condenado três vezes --duas por sentenças proferidas pelo juiz Marcelo Bretas e uma pelo juiz Sergio Moro.

Cenário

A situação se agrava agora com a migração do foco da operação no Rio em direção ao presidente da Assembleia e do PMDB fluminense, Jorge Picciani. O deputado era o último cacique do partido no Estado que ainda não havia sido alvo das investigações, apesar de já ter sido citado em mais de uma delação na Lava Jato.

A legenda também planejava duas candidaturas possíveis para continuar mais quatro anos no comando do Estado. O mais cotado era o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes, que depois de um ano morando nos Estados Unidos, começou a organizar seu retorno à política fluminense.

A outra opção, sonho antigo do presidente da Alerj, era ter um Picciani sentando na cadeira mais importante do Palácio Guanabara. Picciani não escondia o desejo de ver um dos seus "filhos políticos", Rafael ou Leonardo, disputando o governo.

Os danos ao partido devem aumentar com a divulgação da delação premiada do marqueteiro Renato Pereira. A avaliação é de que os relatos do publicitário têm potencial para atingir ainda mais o PMDB do Rio.

O vazio deixado pela legenda poderá abrir espaço a novos atores políticos fluminenses e abalar de vez a era dos caciques do Palácio Tiradentes. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos