Raquel vê 'triplo retrocesso' em revisão de penas após segunda instância

Beatriz Bulla, Rafael Moraes Moura, Breno Pires e Luiz Vassallo

São Paulo e Brasília

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, entregou nesta quinta-feira, 16, memorial aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), em que defendeu a execução de penas após condenações em segunda instância. Rever o entendimento da corte sobre o tema seria um "triplo retrocesso", segundo a chefe do Ministério Público Federal.

Ela reiterou a constitucionalidade da decisão do Supremo Tribunal Federal que permitiu prisões após sentenças de segundo grau, proferida em outubro de 2016.

"Revogá-lo, mesmo diante de todos os argumentos jurídicos e pragmáticos que o sustentam, representaria triplo retrocesso: para o sistema de precedentes incorporado ao direito brasileiro que, ao se ver diante de julgado vinculante revogado menos de um ano após a sua edição, perderia estabilidade e teria sua seriedade posta a descrédito; para a persecução penal no país, que voltaria ao cenário do passado e teria sua efetividade ameaçada por processos penais infindáveis, recursos protelatórios e penas prescritas; e para a própria credibilidade da sociedade na Justiça, com restauração da percepção de impunidade que vigorava em momento anterior ao julgamento do ARE n. 964246/SP", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos