PUBLICIDADE
Topo

Após confusão, PF nega sumiço de malas e dinheiro dos R$ 51 mi atribuídos a Geddel

6.set.2017 - Dinheiro atribuído a Geddel - Divulgação
6.set.2017 - Dinheiro atribuído a Geddel Imagem: Divulgação

Fabio Serapião

Brasília

28/11/2017 20h58

O delegado Eugênio Ricas, diretor de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, disse nesta terça-feira (28) que "não houve sumiço nem de malas, nem de dinheiro" em referência aos R$ 51 milhões encontrados em setembro em um apartamento em Salvador, atribuído ao ex-ministro Geddel Vieira Lima e a seu irmão, o deputado Lúcio Vieira Lima, ambos do PMDB.

Leia também:

Segundo Ricas, a PF informou o Supremo Tribunal Federal (STF), onde tramita a Operação Tesouro Perdido por causa do foro privilegiado de Lúcio, que duas malas, inicialmente dadas como desaparecidas, estavam dentro de outras malas, apreendidas no imóvel.

A confusão se formou a partir de relatório subscrito pelo escrivão da PF Francisco Antonio Lima de Souza, segundo o qual do ato de apreensão na Bahia constavam 9 malas recolhidas. Quando o material chegou à PF em Brasília, destacou o policial, "foi constatada a presença de somente 7 malas, sendo seis grandes e uma pequena".

"Na verdade, não está faltando nada", esclareceu o delegado Eugenio Ricas. "Houve uma confusão na hora da certificação. O procedimento foi o seguinte: esse recurso (os R$ 51 milhões) foi encontrado no apartamento (de Salvador), foi apreendido, levado à Superintendência da Polícia Federal na Bahia. Esse dinheiro foi todo contado, foi apreendido, depositado no banco, ainda na Bahia. Não houve sequer trânsito de dinheiro."

Segundo o delegado, as malas foram submetidas à perícia e encaminhadas a Brasília, base da Operação Tesouro Perdido. "Em Brasília, na hora de acomodar essas malas no depósito, duas estavam dentro de outras malas. Isso foi certificado pelo escrivão hoje (terça, 28). Diante desse imbróglio, isso foi checado e foi verificado que essas malas estavam dentro de outras malas. Isso já foi certificado, comunicado ao Supremo (Tribunal Federal), mas o fato é que não houve sumiço, nem de malas, nem de dinheiro."