Base aliada vê cenário ainda incerto para aliança

Igor Gadelha

Brasília

Embora o Planalto defenda uma candidatura única à Presidência em 2018, a maioria das siglas da base aliada vê um cenário ainda incerto e evita se comprometer com nomes colocados como possíveis candidatos. Há dirigentes que falam em candidatura própria e até em apoiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), caso ele seja candidato.

No cenário atual, os partidos de centro trabalham entre os cotados com os nomes do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD). O escolhido, porém, dependerá do cenário político e econômico do próximo ano. Em entrevista na quarta-feira, 29, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que a ideia é construir uma candidatura única entre os partidos da atual base de sustentação do governo Temer para "representar esse legado".

Como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo no sábado, dia 25, o presidente Michel Temer articula a construção de uma ampla frente de centro-direita para ajudar na aprovação de pautas econômicas, principalmente da reforma da Previdência, e mantê-la unida até a disputa eleitoral de 2018.

Essa frente teria de fazer a defesa do legado de Temer. "Tudo vai depender de como a economia estará, como o 'Fora, Temer' ficará no próximo ano", disse o presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia (RN).

"Pode ser Alckmin, pode ser Meirelles. Mas não está descartada também uma candidatura própria nossa", afirmou o líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL). Ele diz que, atualmente, a sigla tem "pouca chance" de apoiar Lula, embora o presidente da legenda, senador Ciro Nogueira (PI), tenha declarado voto no ex-presidente.

"(Lula) Foi o melhor presidente para este País, principalmente para o Piauí e para o Nordeste", disse Nogueira em entrevista à TV Meio Norte, na semana passada. "Lula é o meu candidato a presidente."

Interlocutores do ex-deputado Valdemar Costa Neto, que comanda o PR, dizem que ele trabalha para que a legenda feche aliança com Lula. "O PR não descarta apoiar o Lula", disse o líder do partido na Câmara, José Rocha (BA).

Integrantes da cúpula do PRB dizem que o nome que mais anima o partido hoje é o de Meirelles, mas, ao mesmo tempo, o partido não quer romper pontes com Alckmin.

A indefinição existe, inclusive, no PSD, partido de Meirelles. A prioridade do presidente licenciado da legenda, o ministro Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), é se eleger em uma chapa majoritária em São Paulo ao lado do senador José Serra (PSDB). O tucano é apontado como possível candidato à sucessão de Alckmin.

O presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR), avalia que Alckmin e Meirelles são dois nomes viáveis para serem o candidato do centro.

O PTB foi o único dos partidos até agora que diz já ter fechado apoio a um nome. "Estamos com Alckmin", disse o 1.º vice-presidente nacional da legenda, deputado Benito Gama (BA). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos