Reforma da Previdência

Planalto teme impacto de tensão eleitoral na reforma da Previdência

Ricardo Galhardo

São Paulo

  • Nelson Almeida/AFP

    30.mai.2017 - Henrique Meirelles e Rodrigo Maia, durante evento em São Paulo

    30.mai.2017 - Henrique Meirelles e Rodrigo Maia, durante evento em São Paulo

O Palácio do Planalto teme que a disputa entre os pré-candidatos à Presidência Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, e Henrique Meirelles (PSD), ministro da Fazenda, e a crescente tensão eleitoral possam atrapalhar a aprovação da reforma da Previdência, cuja votação está marcada para 19 de fevereiro.

O elogio feito pelo peemedebista ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo" publicada na quinta-feira, teve como principal objetivo, segundo fontes do Planalto, brecar um início de atrito entre o presidente da Câmara dos Deputados e o ministro da Fazenda.

Maia e Meirelles se colocam como possíveis candidatos do governo na eleição presidencial deste ano e, ao lado de Alckmin, buscam se apresentar como o nome de centro na corrida pelo Planalto. O jornal mostrou que Maia trabalha para minar Meirelles em meio a seus movimentos pela eleição, já tem equipe e articula alianças.

Temer ficou preocupado com a possibilidade de o embate entre Maia e Meirelles prejudicar a votação da reforma da Previdência, meta principal do Planalto para este ano. Na sexta, a agência de classificação de riscos Standard & Poor's informou que rebaixou a nota de crédito do Brasil em razão de "constantes" atrasos justamente na aprovação das novas regras nas aposentadorias e citou uma mudança, já descartada, na "regra de ouro", que impede a União de se endividar acima do volume de investimento.

Na semana passada, Meirelles e Maia se desentenderam publicamente sobre a regra de ouro. O ministro disse ser contra a forma como o tema foi apresentado, e o deputado reagiu ordenando que a flexibilização fosse retirada da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que vinha sendo elaborada.

De acordo com colaboradores do presidente, Temer chamou Maia para uma conversa no Planalto logo depois do atrito para dizer que a prioridade absoluta é a reforma da Previdência.

O presidente, na entrevista, tentou ainda esfriar as pretensões de Maia e Meirelles dizendo preferir ver o ministro na condução da economia e que a prioridade do deputado deve ser a reeleição para a presidência da Câmara --se reeleito deputado federal, Maia poderá concorrer a mais um mandato à frente da Casa.

Afago

Temer distribuiu elogios a Alckmin, cuja pré-candidatura ainda sofre o impacto da entrevista de Fernando Henrique Cardoso, também ao jornal "O Estado de S. Paulo", na qual o ex-presidente disse que o governador ainda precisa provar que tem capacidade de aglutinar o centro e "transmitir uma mensagem" que viabilize suas pretensões eleitorais.

Ao jornal, Temer foi na direção oposta à de FHC, disse que a posição omissa de Alckmin diante da aceitação das denúncias feitas pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot "ficou para trás" e que o governador preenche os requisitos de transmitir "segurança e serenidade" ao eleitorado brasileiro. Temer espera abrir a porta para o governador embarcar.

A avaliação do Planalto agora é de que Alckmin trabalha para minar a concretização da grande aliança de centro que, na pretensão de Temer, uniria todos os partidos da base, conseguiria a maior parcela de tempo na TV e resultaria em mais recursos do fundo eleitoral para enfrentar os líderes nas pesquisas Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Dividendos

Na estratégia palaciana, a aprovação da reforma da Previdência seria o passo final para concretizar essa grande aliança. Fontes do Planalto têm dito que os recursos provenientes da reforma seriam investidos ainda neste ano em obras e realizações que podem trazer dividendos eleitorais para todos os partidos aliados.

Assessores de Temer argumentam também que a mudança nas regras da aposentadoria traria mais estabilidade econômica, o que também pode se traduzir em votos, e teria um caráter simbólico de coesão que pode ser levado para a eleição.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Temer pede apoio da população para aprovar reforma da Previdência

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos