Lula insiste que não cometeu crime e diz que só vai parar de lutar quando morrer

Marcelo Osakabe e Vera Rosa

São Bernardo do Campo

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira, 24, ter a consciência tranquila por não ter cometido nenhum crime e que espera um placar de três a zero pela sua absolvição. "A única coisa que pode acontecer é eles (os desembargadores) dizerem que o Moro errou. Se vai acontecer, eu não sei", brincou o líder petista, em rápido discurso no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, onde iniciou sua vida política e local que escolheu para acompanhar o julgamento de sua ação no Tribunal Federal da 4ª Região (TRF-4), contra a sentença do juiz Sérgio Moro, que o condenou a 9 anos e seis meses de prisão no caso do tríplex do Guarujá.

Em sua fala, que teve tom de campanha, o ex-presidente afirmou também que a perseguição a qual julga sofrer "não é nada perto do que acontece com os milhões de desempregados" no País e passou a criticar as reformas do governo Michel Temer, como a trabalhista e a previdenciária.

"Eles estão fazendo uma reforma não para mexer no salário do juiz, do delegado, mas para diminuir o salário do trabalhador", acusou Lula, acrescentando que o tema - uma conquista da Constituição de 1988, salientou -, volta sempre à baila nos períodos de crise fiscal brasileira.

Lula argumentou ainda que a Previdência urbana foi sempre superavitária nos governos petistas por uma combinação entre crescimento do mercado de trabalho e de ajustes acima da inflação para o salário mínimo.

Acompanhado de uma comitiva que trazia, entre outros, os governadores petistas Fernando Pimentel (Minas Gerais), Wellington Dias (Piauí) e Tião Viana (Acre), o ex-presidente foi ovacionado em sua chegada ao auditório do sindicato, onde os simpatizantes acompanham a transmissão do julgamento.

Lula lembrou de sua origem sindicalista, afirmando que o local ajudou a construir a história do Brasil. Com um retórica antielite, ele passou então a atacar os detratores de seu governo. "As conquistas do povo nos últimos anos incomodaram a elite brasileira", disse, emendando que o governo atual pretende acabar com a capacidade do Estado brasileiro de fazer política pública. "Estão vendendo nosso corpo, rifando a Petrobras, o BNDES e a Caixa. Querem acabar com os bancos públicos", acusou.

Antes de se retirar, Lula disse que seus detratores têm a consciência mais pesada que a dele e que "a única certeza que tem" é que "só vai parar de lutar quando morrer". "Eles que se preparem, porque um dia a gente vai voltar e transformar esse País num lugar de orgulho e autoestima", disse o ex-presidente da República.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos