Temer diz sofrer oposição radical, mas "curiosa": "Não tem gente na rua"

Thaís Barcellos

São Paulo

  • Fátima Meira/Futurapress/Estadão Conteúdo

    21.dez.2017 - O presidente Michel Temer durante a LI Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados, no Palácio Itamaraty, em Brasília

    21.dez.2017 - O presidente Michel Temer durante a LI Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados, no Palácio Itamaraty, em Brasília

O presidente Michel Temer afirmou que tem sofrido uma "oposição radical", mas "curiosa", porque não há manifestações contra ele na rua. Segundo ele, isso ocorre porque a população está notando a diferença entre o que ocorreu "no passado" e o que ocorre em seu governo.

"Todo mundo percebe que eu tenho sofrido uma oposição radical, mas uma oposição curiosa: Não tem gente na rua. Você perceber que, muitas vezes, quando há movimentos contra o presidente a serem examinados pelo Congresso Nacional (...) Não há uma pessoa em frente ao Congresso Nacional, não há um movimento de rua. O que acontece é que o povo está percebendo o que aconteceu no passado e o que está acontecendo agora", disse em entrevista ao programa de estreia do apresentador Amaury Jr. na Band na madrugada deste domingo (28).

A entrevista faz parte de uma ação do Planalto para divulgar e tentar popularizar a reforma da Previdência. Neste domingo, o presidente será entrevistado pelo apresentador e dono do SBT, Silvio Santos. Na segunda-feira (29), estará no programa do Ratinho, também no SBT. O presidente ainda afirmou que quer ser lembrado como "o sujeito que fez as reformas indispensáveis ao país".

Uma dessas tarefas é a aprovação da reforma da Previdência, que, segundo ele, já está sendo absorvida pela população. "E absorvido pela população isso repercutirá no Congresso Nacional. Tenho certeza que em fevereiro vamos conseguir aprovar a reforma da Previdência", reiterou.

Temer destacou que, além de ser necessária para garantir a aposentadoria da população, há um efeito internacional significativo da aprovação da reforma da Previdência, comentando o recente rebaixamento do rating do Brasil pela agência de classificação de risco S&P. "O que levou a essa nota de crédito foi a história de que você não vai conseguir a reforma da Previdência e isso é fundamental para o Brasil."

Ele ainda lembrou as medidas de seu governo, como a reforma trabalhista, a recuperação do "prestígio da Petrobras" e o estabelecimento do teto de gastos. "Quem é que teve coragem de estabelecer um teto para os gastos públicos? Porque o que o governante mais quer é gastar, se tiver interesses eleitorais, sem dúvida alguma, quanto mais gastar, melhor", defendeu ele.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos