Corregedor de Justiça defende auxílio-moradia

Cláudia Trevisan; correspondente

Washington

O corregedor nacional de Justiça, João Otávio de Noronha, defendeu nesta quinta-feira, 15, o pagamento de auxílio-moradia a juízes que possuem imóveis nas cidades em que trabalham. Segundo ele, o benefício é "verba de natureza indenizatória" em "qualquer lugar do mundo" e no setor privado, o que o torna isento de Imposto de Renda.

No domingo passado, o jornal O Estado de S. Paulo mostrou que o Fisco deixa de arrecadar R$ 360 milhões ao ano em razão do tratamento tributário dado ao auxílio-moradia e outros "penduricalhos". Na prática, o benefício funciona como uma complementação salarial para magistrados que possuem imóvel próprio.

Noronha lembrou que o assunto será julgado pelo Supremo Tribunal Federal. Para ele, não há "justiça" na premissa de que os donos de imóveis não devem receber a verba. "Se eu gastei toda minha economia e comprei um imóvel eu não recebo uma verba que o outro que foi perdulário gastou ou aplicou no banco recebe? Isso é muito subjetivo, mas eu não vou falar sobre isso porque é matéria que está sob julgamento do Supremo Tribunal Federal." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos