Prejuízos com salários de funcionários de Cabral na Fecomercio foi de R$ 8 mi

Constança Rezende,

Rio

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho (MDB) indicou seis funcionários para trabalhar na Fecomercio que acabaram gerando prejuízo de R$ 8 milhões aos cofres públicos. Nesta sexta-feira, 23, o presidente do órgão, Orlando Diniz, foi preso preventivamente na Operação Jabuti, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal do Rio (MPF).

"Nós contabilizamos, pelo menos, um prejuízo de cerca de R$ 8 milhões para a Fecomercio na soma destes salários. Identificamos que Cabral solicitou a Diniz a contratação dessas pessoas ligadas a ele e até de amigos de infância para atender a seus interesses pessoais. Alguns deles nunca compareceram para trabalhar nessas entidades", disse o procurador.

Durante a Operação Jabuti, também foi identificado que gestores da Fecomercio do Rio supostamente estariam envolvidos em operações irregulares incluindo o desvio de recursos, lavagem de dinheiro e pagamento, com recursos da entidade, de vultosos honorários a escritórios de advocacia, somando mais de R$ 180 milhões, incluindo o da mulher de Cabral, Adriana Ancelmo.

De acordo com o MPF, "Cabral emprestou sua expertise para ajudar Diniz (Fecomércio) a lavar dinheiro".

Defesas

A reportagem não obteve retorno das defesas de Diniz e Cabral sobre as acusações até a publicação desta matéria. O espaço está aberto para as manifestações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos