Ex-assessor do DER-SP fez 'estudo técnico' em rodovias do PR, diz concessionária

Fausto Macedo e Julia Affonso

São Paulo

  • Antônio Costa/AGP/Folhapress

    Planilhas revelam suposta irregularidade em ecovia do PR

    Planilhas revelam suposta irregularidade em ecovia do PR

As concessionárias Ecovia e Ecocataratas, que pagaram R$ 3,224 milhões, em 2009 e 2010, à empresa do então assessor do Departamento de Estradas de Rodagem de São Paulo (DER-SP), Júlio Cesar Astolphi, afirmam que o engenheiro fez estudos técnicos sobre duas rodovias no Estado do Paraná. Planilhas em poder da Operação Lava Jato registram os pagamentos.

A Ecovia Caminho do Mar S/A, que administra 175,1 quilômetros de estradas entre Curitiba e o litoral do Paraná, pagou R$ 1,009 milhão, em 2009, à Astenge Assessoria Técnica e Engenharia LTDA, controlada por Astolphi e sua mulher. No ano seguinte, a Ecocataratas, responsável por 387,1 quilômetros da rodovia BR-277, transferiu R$ 2,215 milhões à empresa do engenheiro, que tem sede no endereço residencial do casal.

Em nota, a Ecovia informou que a Astenge 'foi contratada para realização de estudos técnicos de engenharia, melhoria e otimização da infraestrutura existente na BR-277, no Paraná, com o objetivo de identificar oportunidades de integração entre a rodovia BR-277 e os portos de Paranaguá e Pontal (integração entre os modais rodoviário e portuário)'.

Já a Ecocataratas afirmou que 'a empresa foi contratada para elaborar estudo técnico sobre enquadramento territorial e socioambiental para projeto de duplicação da BR-277'. No período em que recebeu pelos serviços prestados às concessionárias de rodovias, Astolphi era assessor de Projetos da Diretoria de Engenharia do DER-SP. De acordo com o órgão, a atribuição do engenheiro era 'conferência e adequações de projetos e acompanhamento de cronograma e prazos'.

Com a palavra, a Ecovia

"A empresa (Astenge) foi contratada para realização de estudos técnicos de engenharia, melhoria e otimização da infraestrutura existente na BR-277, no Paraná, com o objetivo de identificar oportunidades de integração entre a rodovia BR-277 e os portos de Paranaguá e Pontal (integração entre os modais rodoviário e portuário). A Ecovia não teve e não tem contratos com o DER-SP. A empresa é responsável por administrar a BR-277 no Paraná e não participa de licitação de obras públicas. A Astenge Engenharia foi contratada para realizar estudos técnicos especializados para projeto no Estado do Paraná."

Com a palavra, a EcoCataratas

"A empresa foi contratada para elaborar estudo técnico sobre enquadramento territorial e socioambiental para projeto de duplicação da BR-277. O grupo EcoRodovias não faz obras públicas, portanto não tem contrato de obras públicas com o DER-SP."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos