Ordem de prisão de Lula surpreende Planalto

Carla Araújo, Tânia Monteiro e Felipe Frazão

Brasília

A notícia da decretação da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva surpreendeu o Palácio do Planalto pela velocidade com que aconteceu. Auxiliares do presidente Michel Temer afirmaram que o momento pede "serenidade" e que é preciso avaliar o impacto da prisão do ex-presidente tanto na situação atual do País - que passa por uma admitida crise institucional - como no cenário eleitoral. Oficialmente, o Planalto informou que não iria comentar.

Interlocutores destacam que ter um ex-presidente da República preso, além de inédito, é uma situação grave para o País institucionalmente e justamente por isso é preciso aguardar o desenrolar dos fatos com serenidade.

No momento da notícia de que o juiz Sérgio Moro havia decretado a execução da pena e dado um prazo até amanhã as 17 horas para se entregar, Temer estava com alguns auxiliares, entre eles, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Segundo interlocutores, ao receber a noticia, Temer estava em uma ligação e depois atendeu outros telefonemas.

Uma explicação para o motivo da cautela nas declarações de aliados de Temer é que o governo sabe que a decisão contra o petista pode futuramente influenciar a situação de diversos políticos, incluindo os caciques do MDB e de outros partidos, que são investigados.

Segurança

A maior preocupação neste momento, ressaltam, é com a segurança, já que aliados de Lula já iniciaram manifestações pelo País. Conforme mostrou o jornal O Estado de S. Paulo na semana passada, o episódio de tiros disparados contra ônibus da caravana do ex-presidente Lula elevou a preocupação com a segurança do presidente, principalmente, caso ele leve adiante o plano de disputar a reeleição.

Autoridades do governo avaliam que se instaurou no País, de maneira inédita, um clima de rivalidade e ódio político, como ficou patente nos confrontos entre militantes petistas e opositores ao longo do trajeto da caravana de Lula. Segundo uma fonte ouvida sob a condição de anonimato, o "humor" da campanha preocupa e não haveria como oferecer "garantia absoluta" de segurança a Temer.

Até agora, Temer não pensa em cancelar nenhuma das agendas programadas para os próximos dias, incluindo a viagem para Salvador amanhã à noite, mesmo sabendo que a capital baiana é um importante reduto petista. Temer vai a capital baiana amanhã para participar da cerimônia de posse da diretoria da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb) e das comemorações dos 70 anos da entidade. No sábado deve ir a Foz do Iguaçu para o Simpósio nacional de Varejo e Shopping.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos