Lula pode não ter sucesso em novos recursos se não cumprir ordem, dizem advogados

Fernanda Guimarães

São Paulo

Desde o decreto da prisão do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva no fim da tarde de quinta-feira, 5, pelo juiz federal Sergio Moro, um embate entre militantes do PT e um grupo de advogados - formado não apenas pelos que compõem diretamente a defesa do petista - sobre a possibilidade de Lula não se entregar à sede da Polícia Federal (PF) em Curitiba até às 17 horas de nesta sexta-feira, conforme o despacho da ordem de prisão, ganhou a cena ao longo da madrugada e início da manhã desta sexta-feira, 6.

Os militantes do partido acreditam que a resistência do ex-presidente e sua prisão em São Bernardo do Campo, com grande presença da militância do partido, jogaria mais holofote ao caso e, por isso, poderia provocar uma onda de manifestação pelo País por seus apoiadores. "A militância quer resistir para a resistência sair na foto", disse uma fonte que acompanha essa discussão.

De outro lado, a força-tarefa de advogados afirma, e tenta convencer o ex-presidente, de que esse caminho seria "juridicamente muito ruim", já que poderia queimar todas as chances de sucesso do ex-presidente em seus recursos futuros.

Entre os recursos cabíveis aos advogados, além do pedido de habeas corpus, há a possibilidade de ação para requerer prisão domiciliar ou redução de pena.

Até o fechamento deste texto, contudo, o ex-presidente não havia tomado a decisão se viajará no início da tarde para Curitiba. Outra saída seria uma negociação com Moro para que Lula se entregue na PF em São Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos