'Mais vale eliminar uma fila do que construir um viaduto', diz Bruno Covas

Juliana Diógenes

São Paulo

Em seu primeiro pronunciamento como prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) afirmou nesta segunda-feira, 9, que sua gestão "não será contaminada por questões eleitorais" e destacou que terá como foco transformações sociais em educação e saúde. "Sou daqueles que acreditam que mais vale eliminar uma fila do que construir um viaduto", afirmou, indicando que trabalhará para a criação de 85 mil vagas em creches e para concluir 7 Unidades Básicas de Saúde.

O discurso foi feito três dias após João Doria (PSDB) deixar o cargo de chefe do Executivo municipal para disputar candidatura ao governo estadual. Covas também prometeu retomar as obras paradas dos CEUs, reformar 28 centros esportivos, concluir o Hospital da Brasilândia, contratar equipes do Programa de Saúde da Família e criar prontuário eletrônico.

O novo prefeito reforçou que seguirá as promessas feitas por Doria na campanha eleitoral de 2016 e o plano de metas estabelecido pela gestão. "Tivemos mudança de piloto, mas o rumo a direção a rota continuam os mesmos", afirmou.

Evento

De terno cinza e gravata laranja, Covas chegou por volta das 10h no Hall do Edifício Matarazzo, sede da Prefeitura. Ao lado de Covas estava o ex-prefeito João Doria (PSDB), que não discursou.

Covas disse que tem pressa e que "é tempo de arregimentar recursos". "Tenho pressa. São apenas 33 meses que temos pela frente pra pagar a minha divida de gratidão. Não é muito tempo", disse. Em seguida, citou uma frase de Martin Luther King - "O tempo é sempre certo para fazer o que está certo". Citou ainda Aristóteles e versos de Gonzaguinha.

O novo prefeito citou o avô Mário Covas, prefeito de São Paulo entre 1983 e 1986. "Como lembrou Mário Covas em seu discurso de posse como prefeito de São Paulo, não é sem razão que o vocábulo política encontra sua raiz na expressão polis, isto é, cidade", disse Bruno Covas.

Sobre o programa de desestatizações, que prevê a concessão de 55 projetos à iniciativa privada, o novo prefeito disse que os recursos obtidos servirão para desonerar a máquina pública e serão gastos nas áreas de saúde, educação e segurança pública.

Em relação aos 15 meses de Doria à frente do Executivo, o novo prefeito classificou o como "audaciosos". Covas exaltou a criação de 17 Centros Temporários de Acolhida (CTA), a inclusão de 2 mil pessoas no programa Trabalho Novo, títulos de propriedade e unidades habitacionais entregues, a PPP da Habitação em parceria com o governo estadual, o Corujão da Saúde, o aumento de câmeras de 75 para 1.505, a criação do programa de desestatização e a realização do Carnaval de rua.

Antes de Covas iniciar o discurso, um apoiador gritou "1, 2, 3, é Covas outra vez". Vereadores, deputados estaduais e federais, secretários, prefeitos regionais, lideranças religiosas e prefeitos da região metropolitana participaram da solenidade. Representando o governador de São Paulo, Márcio França (PSB), estava o secretário de Justiça, Márcio Elias Rosa.

No discurso em nome dos secretários, Júlio Semeghini, líder da pasta de Governo, exaltou o governo de Mário Covas Neto, avô do novo prefeito.

O presidente da Câmara dos Vereadores, Milton Leite, disse que em um ano e quatro meses o ex-prefeito Doria "trabalhou o correspondente a quatro anos". Leite se colocou à disposição de auxiliar o novo prefeito na gestão, mas destacou que "os recursos são muito poucos". "Temos de trabalhar muito para transformar o pouco em muito", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos