Ibama multa Anglo American em R$ 72 milhões por vazamentos em Minas Gerais

Denise Luna

Rio de Janeiro

O Ibama multou a mineradora Anglo American em R$ 72,6 milhões pelos dois vazamentos ocorridos em seu mineroduto Minas-Rio, em março, e que resultaram na poluição da região de Santo Antônio do Grama, em Minas Gerais, informou o instituto nesta terça-feira, 10. Os acidentes ocorreram nos dias 12 e 29 do mês passado e lançaram 947 toneladas de minério de ferro na área. Após os acidentes, a diretoria de Licenciamento Ambiental do Ibama determinou imediatamente a interrupção da operação do mineroduto.

"A empresa deverá realizar uma inspeção detalhada em todo o mineroduto. A interrupção da operação será mantida até a emissão de laudo técnico que ateste a segurança das instalações, após manifestação do Instituto", afirmou em nota o assessor técnico da Diretoria de Licenciamento Ambiental, Jônatas Trindade.

As multas referentes ao primeiro acidente somam R$ 40,1 milhões, sendo R$ 12,5 milhões por poluição que pode causar dano à saúde humana; R$ 15 milhões pela poluição no rio, que tornou necessária a interrupção da captação e do abastecimento de água para a população do entorno; e mais R$ 12,5 milhões pelo lançamento de minério em desacordo com a legislação.

"Na ocasião, 300 toneladas de minério de ferro foram despejadas no ribeirão Santo Antônio do Grama (MG), próximo à estação de bombeamento EB2. A primeira equipe de analistas ambientais do Ibama chegou ao local na tarde de 12/3 para monitorar a ocorrência e as ações de emergência adotadas pela empresa", detalhou o Ibama.

O segundo acidente, na noite de 29 de março, decorreu de um novo rompimento no mineroduto Minas-Rio, e despejou 647 toneladas de polpa de minério na Fazenda Córrego Grande, zona rural de Santo Antônio do Grama (MG), próximo à estação de bombeamento EB2. O ribeirão Santo Antônio do Grama foi atingido por 174 toneladas do produto. O restante impactou áreas de pasto próximas.

Nesse caso o Ibama aplicou dois autos de infração. Foram R$ 17,5 milhões por risco de dano à saúde por poluição e R$ 15 milhões pelo lançamento de minério em desacordo com a legislação, informou o órgão. O Ibama aguarda a apresentação do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) pela empresa e irá acompanhar sua execução.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos