Enquanto as pessoas protestam, a caravana do governo vai trabalhar, diz Temer

Carla Araújo, Tânia Monteiro, Fabricio de Castro e Lu Aiko Otta

Brasília

Em um discurso de 40 minutos, o presidente Michel Temer voltou a dizer que manteve a "equação político-partidária" ao formar seu novo ministério "porque no passado deu certo" e pediu que os novos titulares da Esplanada não se incomodem com críticas. "Não vamos nos incomodar com críticas. Não vamos nos incomodar com aqueles que querem dizer "ah, não pode, etc, isso aquilo". "Nós vamos em frente. Enquanto as pessoas protestam, a caravana aqui do governo vai trabalhar", concluiu.

No seu discurso, ao ressaltar a recuperação econômica, o presidente não falou explicitamente sobre as denúncias que teve que derrubar na Câmara dos Deputados e nem sobre as operações que investigam pessoas de seu entorno, mas afirmou que algumas situações que "poderiam embaraçar o governo" serviram de "combustível". Segundo ele, ações foram tomadas sem embargo das dificuldades. "Podemos hoje reunir o novo ministério sob o império do sucesso", disse.

De acordo com Temer, o trabalho a ser desempenhado será o da continuidade. "Que possamos prosseguir com as mesmas teses, os mesmos programas e, consequentemente, com as mesmas vitórias", afirmou.

A reunião ministerial da manhã desta quinta foi a primeira entre o presidente Temer e os onze novos ministros nomeados, após a desincompatibilização dos antecessores em função da eleição.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos