Parque da Juventude vai se chamar Parque Dom Paulo Evaristo Arnas

Julia Affonso e Fausto Macedo

O Parque da Juventude vai se chamar Parque Dom Paulo Evaristo Arnas. Localizada na zona Norte de São Paulo, a área foi ocupada por muitos anos pela Casa de Detenção do Carandiru, palco do mais sangrento massacre da história penitenciária do País, há 26 anos - 111 presos foram mortos em outubro de 1992.

De autoria do deputado Luiz Fernando (PT), a homenagem a dom Paulo, morto em dezembro de 2016, aos 95 anos, foi decidida na semana passada (quinta, 10) pela Assembleia Legislativa, por meio da aprovação do projeto de lei 938/2016 que, agora, segue para sanção do governador Márcio França.

Dom Paulo, nascido em Forquilhinha (SC), foi nomeado arcebispo de São Paulo em outubro de 1970, aos 49 anos. Sua história ficou conhecida pela coragem com que enfrentou o regime militar, entre os anos 1960 e 1970, e por seu empenho na defesa dos direitos humanos.

Com formação em filosofia e teologia, dom Paulo escreveu 56 livros, o mais célebre deles "Brasil Nunca Mais", projeto que realizou clandestinamente via Conselho Mundial de Igrejas e pela Arquidiocese de São Paulo. O documento escancarou os porões.

Em 2007 foi concluído o projeto arquitetônico do Parque da Juventude, que mantém referenciais históricos do Carandiru - muralhas e ruínas de celas do presídio. Os pavilhões 4 e 7 foram transformados em duas escolas técnicas.

"O fato de o parque ter sido construído sobre o Carandiru, local no qual ocorreu um episódio de afronta extrema aos direitos humanos, matéria defendida com afinco durante toda a vida por dom Evaristo Arnas, torna bastante simbólica a homenagem", disse o deputado Luiz Fernando.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos