Só há combustível para ônibus até terça-feira, alerta Covas

Priscila Mengue

São Paulo

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), declarou nesta segunda-feira, 28, que há combustível suficiente para garantir a circulação de ônibus na cidade apenas até a terça-feira, 29 com frota de 60% do previsto para o horário no entrepico e de 68% a 70% do normal nos horários de maior demanda.

A Secretaria Municipal da Fazenda calcula uma perda de R$ 100 milhões a R$ 150 milhões em arrecadação, sem contar o "prejuízo à economia" da cidade. "São serviços que não foram prestados nessa semana e que certamente não serão prestados", afirmou.

Ele disse ainda que a Prefeitura está monitorando a situação de serviços essenciais realizados pela iniciativa privada, como em hospitais particulares e o fornecimento de remédios, e também liberou o acesso aos postos de combustíveis de uso exclusivo da Prefeitura para carros da Comgás e da Eletropaulo.

Segundo Covas, a situação é grave, mas todos os serviços essenciais estão mantidos de forma ao menos "mínima". O prefeito afirmou que os serviços estão sendo monitorados continuamente e que os serviços se mantêm nos próximos dias, exceto o transporte e a merenda escolar, que está com dificuldade para ser mantida por causa da falta de insumos e gás de cozinha. "Queria poder garantir até semana que vem", declarou.

Desde sexta-feira, 25, o transporte de combustível obtido pela Prefeitura ocorre com apoio de escolta da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana. Além disso, o município firmou acordos com três postos de combustíveis, que atendem exclusivamente veículos de serviços considerados essenciais. Segundo Covas, a Prefeitura negocia ampliar o número para 16.

O prefeito ainda fez um apelo aos caminhoneiros. Segundo ele, a reivindicação é legítima, mas que a cidade está enfrentando um problema grave abastecimento.

Ônibus

Às 10h, a São Paulo Transporte (SPTrans) divulgou que 59% da frota de ônibus prevista para o horário estava em funcionamento na cidade. No domingo, Covas havia afirmado que as operações nesta segunda ocorreriam com de 60% a 80% do total de viagens habituais. Agora, a nova margem de operação é de 60% no entrepico e de 68% a 70% nos horários de maior demanda.

Saúde

Na noite de domingo, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) divulgou o adiamento das cirurgias eletivas marcadas para esta segunda-feira nos hospitais municipais de São Paulo. Também foi suspensa a remoção de pacientes para exames eletivos e os exames de rotina nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Cerca de cem cirurgias eletivas são realizadas em 35 hospitais municipais e conveniados diariamente. Segundo o secretário municipal da Saúde, Wilson Polara, os procedimentos adiadas serão remarcados com rapidez. Uma nova reunião do comitê de crise deve ocorrer até as 18 horas desta segunda-feira.

Rodízio

O rodízio municipal de veículos segue suspenso por tempo indeterminado. Além disso, um decreto publicado em edição extraordinária do Diário Oficial Cidade de São Paulo desta segunda-feira libera o tráfego irrestrito de caminhões em todas as zonas da cidade e horários até domingo, 3.

Educação

Além disso, foi verificado um grande número de absenteísmo entre professores e alunos da rede municipal de ensino e estão sendo verificadas possíveis faltas na área de saúde. Até o momento, não há definição se as faltas serão abonadas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos