PUBLICIDADE
Topo

Mais 2 suspeitos são investigados em caso Marielle, diz jornal

Divulgação
Imagem: Divulgação

Fábio Grellet

Rio

27/07/2018 07h19

Mais dois suspeitos de estarem no carro de onde partiram os tiros que mataram a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes, em 14 de março, tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça do Rio de Janeiro nesta quinta-feira (26), segundo o jornal "O Globo". As ordens de prisão, no entanto, não foram expedidas por envolvimento com as mortes de Marielle e Anderson, mas por um assassinato em novembro de 2015. Até as 23h desta quinta, ninguém havia sido preso.

Segundo o jornal, a ligação entre William da Silva Sant'Anna e Renato dos Santos, réus pelo homicídio de 2015, e a morte de Marielle é o depoimento de uma testemunha considerada chave pela polícia --o delator diz ter ouvido conversa em que o miliciano Orlando Araújo, o Orlando Curicica, e o vereador Marcello Siciliano (PHS) discutiam plano para matar Marielle. Ambos negam qualquer envolvimento com o crime.

A testemunha também atuava como miliciano, até 2015, em um grupo rival de Curicica --por isso, integrantes do Ministério Público suspeitam que a acusação de participação no caso Marielle pode ser só um acerto de contas entre as quadrilhas.

Segundo a Delegacia de Homicídios da Capital, Curicica teria ordenado a morte do rival, Rafael Freitas Pacheco da Silva, o Leão, em 10 de novembro de 2015, em uma emboscada.

Também ameaçado de morte, o sócio da vítima passou a trabalhar para Curicica e, por isso, segundo afirmou à polícia, teria tomado conhecimento de detalhes dos crimes dessa milícia. Neste ano, já fora da quadrilha de Curicica, o rapaz decidiu contar à polícia sua versão sobre os crimes, apontando Curicica e Siciliano como responsáveis pelo plano de matar Marielle.

A reportagem do UOL procurou delegados envolvidos nas investigações do caso, mas eles ainda não se manifestaram. A polícia tem adotado sigilo nas investigações. Em julho, quando o crime completou quatro meses, a família da vereadora cobrou esclarecimentos da polícia.

Prisões

Na terça (24), outras duas pessoas apontadas pela mesma testemunha como envolvidas na morte de Marielle foram presas no Rio. Assim como no caso desta quinta, tiveram a prisão decretada por outro crime. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".