Investigação da Operação Capitu começou com base em delação de Funaro, diz PF

Julia Affonso, Breno Pires e Fausto Macedo

São Paulo e Brasília

A Polícia Federal (PF) informou nesta sexta-feira, dia 9, que as propinas investigadas no âmbito da Operação Capitu eram negociadas, geralmente, com um deputado federal e entregues aos agentes políticos e servidores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e pelo operador Lúcio Bolonha Funaro.

A PF identificou que a JBS dependia de normatizações e licenciamentos do Mapa e teria passado a pagar propina a funcionários do alto escalão do ministério em troca de atos de ofício, que proporcionariam ao grupo a eliminação da concorrência e de entraves à atividade econômica, possibilitando a constituição de um monopólio de mercado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos