Topo

Prefeitos prometeram restringir operação no Campo de Marte

Gabo Morales/Folhapress
Aeroporto Campo de Marte, na zona norte de São Paulo Imagem: Gabo Morales/Folhapress

Adriana Ferraz e Bruno Ribeiro

São Paulo

01/12/2018 09h01

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), disse na última sexta-feira (30) esperar que o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), cumpra a promessa de fechar o Campo de Marte, na zona norte. Antecessores de Covas também já prometeram limitar ou encerrar as atividades do terminal.

Em agosto de 2017, o então prefeito e hoje governador eleito, João Doria (PSDB), firmou com o presidente Michel Temer acordo sobre o local. A União se comprometeu a ceder 400 mil m² do terreno ao município para um projeto que incluiria um museu aeroespacial, um parque (em fase de projeto) e, por último, o fim das operações de aviação executiva.

"Esperamos agora que o governo eleito (Bolsonaro) possa dar continuidade àquilo que foi combinado com o atual governo (Temer), que é a vinda gradual daquele espaço para a Prefeitura e a desativação do aeroporto", disse Covas.

Após o encontro com Temer, Doria até anunciou o fim das operações do terminal para 2020. Ele defendeu a desativação da pista, afirmando que vários aeroportos funcionais em implementação no entorno da capital poderiam substituir o Campo de Marte, que ficaria só com a aviação de helicópteros.

Mas justamente essa possibilidade de repassar decolagens e pousos de aviões de pequeno porte para outras cidades que sempre empacou qualquer tipo de negociação.

Nesse assunto, Doria combinava com o ex-prefeito Fernando Haddad. O petista até fez pedido oficial à Aeronáutica para tirar a asa fixa de lá. Antes, Gilberto Kassab (PSD), José Serra (PSDB) e Celso Pitta também cogitaram transformar a área de 2 km² em parque.