Topo

Villas Bôas: tenho receio de que o caso Moro tome vulto que prejudique o país

Luis Kawaguti - 18.set.2018
General Eduardo Villas Bôas Imagem: Luis Kawaguti - 18.set.2018

Daniel Weterman

Brasília

2019-06-13T18:24:00

13/06/2019 18h24

O assessor especial do GSI (Gabinete de Segurança InstituiçãoI), Eduardo Villas Bôas, manifestou preocupação com os efeitos do caso envolvendo a suposta troca de mensagens entre o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e procuradores da Lava Jato durante a operação.

Para o ex-comandante do Exército, a situação pode tomar um vulto que comprometa a reforma da Previdência. Ele chegou a comparar o caso com a delação da JBS durante o governo do ex-presidente Michel Temer.

"Do ponto de vista do ministro, eu tenho receio de que isso venha a tomar um vulto que venha a prejudicar o país. Nós já tivemos esse exemplo no governo Temer, quando quem saiu perdendo foi o país", afirmou Villas Bôas após reunião com os senadores Chico Rodrigues (DEM-RR) e Vanderlan Cardoso (PP-GO) no Senado.

Questionado, ele respondeu que se referia a efeitos em propostas como a reforma da Previdência. "Mas eu acho que, com a firmeza e a transparência do ministro Moro, e bom senso, isso vai se resolver sem trazer prejuízos para os programas e projetos que estão sendo encaminhados", disse.

Nova conversa entre Moro e Dallagnol é divulgada Band Notí­cias

Band Notí­cias

Villas Bôas minimizou o conteúdo das supostas mensagens reveladas e disse que a invasão a celulares particulares é o ponto mais grave do caso.

O que aconteceu relativo ao ministro é muito pequeno, eu não estou vendo gravidade. Eu volto ao oportunismo para tentar enfraquecer o ministro Moro e o próprio projeto de diminuição da violência

Eduardo Villas Bôas, assessor especial do GSI (Gabinete de Segurança InstituiçãoI)

Há dois dias, o ex-comandante do Exército divulgou uma nota nas redes sociais em que falava em "insensatez e oportunismo" para tentar esvaziar a Lava Jato.

O assessor do GSI alertou ainda para uma "vulnerabilidade perigosa" para o próprio governo e para a iniciativa privada diante do risco de invasão de mensagens.

Mais Política