Topo

Parecer da justiça sugere nove vetos à lei de abuso de autoridade

Breno Pires

Brasília

17/08/2019 09h04

Parecer elaborado pela área técnica do Ministério da Justiça, comandado por Sérgio Moro, indica a necessidade de veto a nove artigos no projeto que trata da lei de abuso de autoridade aprovado nesta semana pela Câmara. No documento, o ministério afirma ver elementos que podem "inviabilizar" investigações da Polícia Federal e do Ministério Público.

Entre os artigos questionados, está o 9.º, que prevê punição ao magistrado que decretar prisões provisórias "em manifesta desconformidade com as hipóteses legais". Segundo o parecer, caso incluído na lei, o trecho "elimina a discricionariedade do magistrado".

O ministério também aponta subjetividade na interpretação do artigo 13, que trata sobre constrangimento de presos, que pode "prejudicar o exercício da atividade policial". "Levado ao extremo, esse dispositivo pode afastar a obrigação legal de o preso fornecer impressões digitais", diz o parecer.

O documento foi enviado aos líderes do Congresso antes da votação da proposta, na quarta-feira. O texto aprovado, porém, não foi alterado. O presidente Jair Bolsonaro afirmou que ainda avalia possíveis vetos ao texto.

Em entrevista ontem, porém, Bolsonaro criticou a possibilidade de punir um policial que algemar alguém que não demonstre resistência no ato da prisão. "Se o cara vier a algemar alguém de forma irregular, tem uma cadeia para isso. Isso não pode existir. O resto a gente vai ver", disse o presidente.

Bolsonaro afirmou que, independentemente da decisão que tomar, vai levar "pancada". "Vetando ou sancionando, ou vetando parcialmente, o tempo todo eu vou levar pancada. Não tem como. Vou apanhar de qualquer maneira", disse.

Bolsonaro está sofrendo pressão do Ministério da Justiça, de parlamentares e de entidades para vetar alguns trechos do texto, que é visto como uma reação do mundo político à Lava Jato, pois dá margem para criminalizar condutas que têm sido usadas em investigações no País. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais Cotidiano