Topo

Maurício Valeixo deve permanecer na direção da Polícia Federal

O ministro da Justiça, Sergio Moro, já teria dado a Valeixo a informação de que ele não será substituído pelo menos por enquanto - Reprodução
O ministro da Justiça, Sergio Moro, já teria dado a Valeixo a informação de que ele não será substituído pelo menos por enquanto Imagem: Reprodução

Thiago Guimarães Faria

Brasília

18/09/2019 14h14

O diretor-geral da Polícia Federal, delegado Maurício Valeixo, volta de férias nesta quinta-feira, 19, e deve continuar no cargo, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo com fontes com conhecimento do assunto. O ministro da Justiça, Sergio Moro, já teria dado a Valeixo a informação de que ele não será substituído pelo menos por enquanto. Procurado, o ministro disse que não comentará o assunto.

A saída de Valeixo era dada como certa internamente na PF após o presidente da República, Jair Bolsonaro, ter declarado, no mês passado, que poderia trocar a direção do órgão. Sua permanência é considerada uma vitória de Moro. O combinado é que ninguém na PF comente mais sobre o assunto, para evitar novas rusgas com Bolsonaro.

O presidente ficou irritado especialmente com a recusa de Valeixo de indicar para a superintendência do Rio de Janeiro o delegado Alexandre Saraiva, atual chefe da unidade do Amazonas, no lugar do delegado Ricardo Saadi.

Na ocasião, Bolsonaro afirmou que havia determinado a saída de Saadi por "questão de produtividade". Horas após o anúncio, porém, a PF contradisse o presidente e, em nota, afirmou que a troca já estava planejada e não tinha relação com o trabalho do delegado. Ainda anunciou um outro nome para o cargo, contrariando Bolsonaro.

Desde o início da crise, Moro se esforçou para manter Valeixo, uma indicação sua para o cargo. Eles trabalharam juntos na Lava Jato em Curitiba. Em conversa com Bolsonaro, o ministro chegou a atribuir as polêmicas a uma "rede de intrigas" que atuava para desgastar a relação entre os dois.

Como forma de "aparar arestas" com o presidente, Moro determinou, na semana passada, que a PF apure um suposto direcionamento de investigação ao deputado Helio Lopes (PSL-RJ), aliado do presidente.

O ministro apontou possível fraude na inclusão do nome em um inquérito como meio de tentar voltar o presidente contra Saadi e a cúpula do órgão.

Conforme o jornal O Estado de S. Paulo revelou, a Polícia Federal suspeita que o delegado Leonardo Tavares, lotado na Delegacia de Repressão a Crimes Previdenciários (Deleprev) no Rio de Janeiro, foi o responsável por tentar direcionar uma investigação previdenciária para um alvo chamado 'Hélio Negão', o mesmo apelido usado pelo deputado.

Nos bastidores, o gesto de Moro foi visto como importante para mudar o ambiente e impedir a demissão de Valeixo.

Mais Cotidiano