Topo

Presidente de grupo conservador dos EUA pede 'trabalho conjunto'

Aline Bronzati e Adriana Ferraz

São Paulo

12/10/2019 13h05

O presidente da União Conservadora Americana (ACU, na sigla em inglês), Matt Schlapp, defendeu neste sábado, 12, a necessidade de os conservadores ao redor do mundo se unirem para evitarem o avanço do socialismo e do comunismo. Segundo ele, apenas com o trabalho conjunto será possível avançar nessa agenda. As declarações foram dadas na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) em São Paulo, organizada pela ACU e pela fundação Instituto de Inovação e Governança (Indigo), do PSL.

Matt Schlapp defendeu que a direita precisa se mobilizar cada vez mais para ocupar espaços na política. "Se motivarmos as pessoas a de fato trabalhar na política, venceremos. Temos que trabalhar juntos, aprender uns com os outros, usar as melhores ferramentas", disse, afirmando que países como Japão, Austrália, Coreia do Sul e Reino Unido enfrentam riscos.

O evento, que começou na sexta, teve a presença do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e dos ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

O norte-americano afirmou que filmes, professores, a imprensa e líderes mundiais difundem a ideia de que o socialismo "é necessário para ajudar os pobres, os doentes e os imigrantes". "É exatamente o oposto, exatamente o oposto", repetiu, sob aplausos.

Schlapp afirmou também que existe uma perseguição redor do mundo contra as pessoas de fé, especialmente os cristãos. Ele comentou que ouviu no Brasil diversas vezes a expressão "Deus te abençoe", o que pode parecer simples, mas não é.

"São frases que parecem pequenas, mas em algumas partes dos Estados Unidos as pessoas ficam bravas se você falar isso. Existe uma verdadeira perseguição de pessoas de fé, especificamente cristãs, em todo o mundo. Se você tem fé, eles pensam que é algo antiquado, que é ruim".

Cotidiano