Topo

Bolsonaro insinua que derrame de óleo pode ser ação criminosa para afetar leilão

Giovana Girardi

São Paulo

18/10/2019 12h37

Em uma "live" na manhã desta sexta-feira, 18, o presidente Jair Bolsonaro insinuou que o derramamento de petróleo que atinge o litoral do Nordeste poderia ter alguma relação com o leilão de petróleo. "Poderia ser uma ação criminosa para prejudicar esse leilão?", disse dirigindo-se ao ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e representantes da Marinha.

Depois de o almirante Leonardo Puntel fazer uma rápida explicação sobre as ações do Grupo de Acompanhamento e Avaliação, composto por representantes da Marinha, do Ibama e da Agência Nacional do Petróleo, frisando que os trabalhos ocorrem desde o dia 2 de setembro, Bolsonaro questionou sobre as investigações.

Segundo ele, já se sabe que o petróleo não é fabricado no Brasil nem importado pelo País. "Com toda certeza, não vou bater o martelo aqui, esse petróleo seria da Venezuela?", perguntou a Puntel. "É uma possibilidade", respondeu o almirante.

Azevedo e Silva disse depois que "o importante é que provavelmente seja um crime ambiente". Ao que Bolsonaro comentou: "coincidência, ou não, temos aí o leilão da sessão onerosa. Eu me pergunto, mas a gente tem de ter muita responsabilidade no que fala... Poderia - os senhores não precisam responder não - ser uma ação criminosa para prejudicar esse leilão? É uma pergunta que está no ar."

Ninguém respondeu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cotidiano