PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
5 meses
"Vale tinha uma caixa-preta de informações sobre barragens", diz promotor

27.jan.2019 - Homens tentam salvar uma vaca que está atolada na lama. A população da comunidade de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), foi acordada na manhã deste domingo, 27, por volta de 5h30, pelo toque de uma sirene de evacuação - WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO
27.jan.2019 - Homens tentam salvar uma vaca que está atolada na lama. A população da comunidade de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), foi acordada na manhã deste domingo, 27, por volta de 5h30, pelo toque de uma sirene de evacuação
Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

Fernanda Guimarães e Mariana Durão*

Da agência Estadão Conteúdo, em Belo Horizonte

21/01/2020 17h36

O promotor e coordenador da força-tarefa sobre o caso de Brumadinho, Willian Garcia, disse que a barragem da Vale que rompeu há quase um ano em Brumadinho, em Minas Gerais, era internamente reconhecida na companhia como de "risco inaceitável". Segundo ele, a Vale tinha uma "caixa-preta", com uma lista mantida em sigilo com 10 barragens em "situação inaceitável de segurança".

Nesta terça-feira, o Ministério Público de Minas Gerais denunciou a Vale, a TÜV SÜD e 16 pessoas, dentre elas, o ex-presidente da mineradora, Fabio Schvartsman, em decorrência da tragédia em Brumadinho, em 25 de janeiro do ano passado.

Depois do conhecimento do poder público dessa lista, as barragens em risco passaram por ações de segurança, com áreas que chegaram a ser evacuadas, por exemplo. Os promotores frisaram que a Vale decidiu ocultar os riscos das barragens e não tomou medidas de curto prazo para mitigá-los.

Garcia disse que a Vale promoveu uma "ditadura corporativa" e impôs à sociedade e ao poder público suas decisões, que ocultavam da população, de acionistas e investidores as reais situações sobre as barragens. "A sociedade deveria poder escolher qual risco entende aceitável para si, mas as duas corporações (Vale e TÜV SÜD) impuseram os riscos que ela sociedade poderia correr", disse o promotor, em coletiva de imprensa.

O promotor disse que a TÜV SÜD foi pressionada e fez relatórios falsos atestando a estabilidade de barragens e que trabalhou em contradição em relação ao que deveria ser uma auditoria externa, independente.

"A missão ali era evitar impactos reputacionais negativos na Vale, que pudesse afetar seu valor de mercado", disse.

A escolha da empresa foi ocultar tais informações, comentou, ao invés de enfrentar os efeitos negativos de ter que adotar medidas emergenciais ao assumir os riscos das barragens.

Garcia afirmou que a denúncia feita não é a resposta que a sociedade merece em relação ao caso, que é, na sua opinião, o julgamento e a submissão do caso ao tribunal do júri. "E ao final, a condenação com efetiva prisão de todos que contribuíram de alguma forma para o evento de 25 de janeiro", comentou, em coletiva de imprensa na tarde de hoje.

Garcia disse que a conclusão das investigações, na semana em que a tragédia completou um ano, foi coincidência, dado que em novembro as investigações já estavam adiantadas.

O promotor destacou a complexidade da investigação - -que envolveu também as polícias civil e militar— em que foram apreendidos mais de 90 equipamentos, entre computadores e celulares, com informações técnicas de engenheiros e geólogos das empresas envolvidas. Os documentos obtidos foram analisados minuciosamente.

A Vale e a TÜV SÜD receberam denúncia também por crime ambiental.

Em nota, a TÜV SÜD afirmou que "reitera seu compromisso em ver os fatos sobre o rompimento da barragem esclarecidos" e que continua "oferecendo cooperação às autoridades e instituições no Brasil e na Alemanha no contexto das investigações em andamento".

A Vale, por sua vez, afirmou que vai analisar o "inteiro teor" da denúncia do Ministério Público de Minas Gerais a respeito da tragédia de Brumadinho (MG) antes de se pronunciar formalmente a respeito. A mineradora afirma ainda que vai continuar contribuindo "totalmente" com as autoridades.

"A Vale reitera sua profunda solidariedade com os familiares das vítimas e demais afetados pela tragédia e sua confiança no completo esclarecimento das causas da ruptura", afirma a empresa em comunicado publicado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na tarde desta terça-feira, 21.

*Com informações do jornalista Matheus Piovesana

Cotidiano