PUBLICIDADE
Topo

Incidência de raios aumenta 60% na cidade de São Paulo

Renata Okumura

São Paulo

27/01/2020 12h00

Influenciada por fenômenos climáticos como El Niño e La Niña, a cidade de São Paulo viu a incidência de raios disparar. É o que mostra um levantamento feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). De acordo com o estudo, obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo, foram contabilizados 44,8 mil raios no ano passado, contra 28 mil em 2018, uma alta de 60%.

"Os fenômenos estão associados à temperatura da superfície do Oceano Pacífico Equatorial, que modulam as águas e sofrem aquecimento anormal com o El Niño e resfriamento acima do normal com a La Niña. Isso afeta a formação de tempestades e, consequentemente, de raios", explica Osmar Pinto Júnior, coordenador do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A incidência de raios se concentra no verão, dado o período de chuvas. A capital paulista registrou 44,5 mil raios entre 21 de dezembro de 2018 e 20 de março de 2019, número próximo ao verificado durante todo o ano 2019. Entre 21 dezembro de 2017 e 20 de março de 2018, foram 19,3 mil raios. Na comparação entre os períodos, a alta é ainda maior, de 130%.

Mortes

Nos últimos 20 anos, 2.182 pessoas morreram no Brasil vítimas de raios. Com 30 vítimas, a capital paulista é a cidade com o maior número de mortes no País nesse período. A última foi registrada em março de 2017, quando um homem foi atingido ao procurar abrigo sob uma árvore.

"Quando o raio se forma, o ar ao redor da faísca é aquecido a 30 mil graus Celsius, causando uma violenta expansão podendo derrubar e matar facilmente uma pessoa", alerta Júnior. Em termos comparativos com a voltagem doméstica de 110 ou 220 volts, um raio pode ultrapassar um milhão de volts.

De acordo com informações do Inpe, 80% das mortes acontecem ao ar livre e 20% dentro de casa. As situações mais perigosas se dão em locais abertos, como praias, parques e áreas rurais. "Os quiosques dos parques nem sempre são locais suficientemente seguros. Dentro de casa, as pessoas estão mais protegidas, mas há riscos quando estão perto de geladeira e tomam banho. Dentro do carro, a pessoa está relativamente protegida", afirma Osmar Pinto Júnior.

Prejuízo

No último dia 7, a cidade de São Paulo registrou 1,5 mil raios, quantidade elevada que é registrada poucas vezes por ano em uma única data. A dona de casa Aline Barros, de 21 anos, que mora na Vila Verde, na zona leste da cidade, teve o televisor queimado. "Sempre que percebo que tem tempestade e raios, eu procuro tirar da tomada os eletroeletrônicos que tenho em casa, mas neste dia não deu tempo e minha televisão queimou", disse Aline.

O fenômeno, no entanto, não deve se repetir neste ano, dado que a cidade não está sob os efeitos do El Niño e da La Niña. Com isso, acreditam os especialistas, a tendência é que a incidência de raios permaneça estável. "No entanto, o Brasil é o País com a maior incidência de raios no mundo, cerca de 80 milhões por ano", diz Festa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Cotidiano