PUBLICIDADE
Topo

Deputados registram BO contra Cid Gomes por atentado contra a vida de PMs

O senador Cid Gomes (PDT-CE) foi baleado com um tiro de bala de borracha na tarde desta quarta-feira (19) em meio a um protesto de policiais que reivindicam aumento salarial - Hebert Cordeiro/ Facebook
O senador Cid Gomes (PDT-CE) foi baleado com um tiro de bala de borracha na tarde desta quarta-feira (19) em meio a um protesto de policiais que reivindicam aumento salarial Imagem: Hebert Cordeiro/ Facebook

Lôrrane Mendonça, especial para O Estado

Fortaleza

20/02/2020 20h08

Os deputados federais Capitão Wagner (Pros-CE), Major Fabiana (PSL-RJ) e Capitão Alberto Neto (Republicanos-AM) registraram boletim de ocorrência contra o senador licenciado Cid Gomes (PDT) por tentativa de homicídio. A justificativa é de que Cid atentou contra a vida dos policiais militares em Sobral (CE) na última quarta-feira, 19, quando tentou invadir o quartel com um trator e foi baleado.

O BO foi registrado na noite de ontem, no 34º Distrito Policial, em Fortaleza. No documento, Capitão Wagner noticia os crimes cometidos por Cid Gomes de dano ao patrimônio público ao tentar entrar na sede do Batalhão da Polícia Militar de Sobral derrubando o portão com o trator.

O quartel da Polícia Militar estava ocupado por agentes grevistas encapuzados e seus familiares. Depois de ser baleado, Cid foi operado no Hospital do Coração de Sobral e transferido a Fortaleza no início da tarde desta quinta-feira, 20. O Estado apurou que Cid foi atingido por dois tiros de pistola calibre .40, arma padrão das Polícias Militares, que atingiram a região do tórax. O comando da PM do Ceará está tratando o caso como tentativa de homicídio.

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) criticaram nesta quinta, a paralisação dos policiais militares de Sobral, sob a alegação de que o movimento é "ilegal". A Constituição Federal proíbe a sindicalização e a greve de militares. Antes do episódio envolvendo o senador licenciado, homens que foram identificados como policiais encapuzados circularam pelo centro de Sobral ameaçando comerciantes com armas de fogo para fecharem seus estabelecimentos.

Política