PUBLICIDADE
Topo

Novo coronavírus já infectou mais de 80 mil pessoas em todo o mundo

Renata Okumura, com agências internacionais

São Paulo

25/02/2020 09h31

Mais de 80 mil casos do novo coronavírus já foram notificados em todo o mundo. A doença, que se concentrava na China, atinge outros países da Ásia, e provoca preocupação em países da Europa e do Oriente Médio. Somente na China continental já são 2.663 mortes entre 77.658 casos, principalmente na província central de Hubei.

Pelo menos 35 países relatam casos confirmados, que já passam de 2,5 mil e ao menos 40 mortes.

Receio global

Atrás somente da China, a Coreia do Sul também relatou que possui pelo menos 977 confirmações e o número de mortos subiu de 7 para 11 nesta terça-feira, 25.

O medo da doença também isolou ao menos 11 cidades na Itália, cancelou carnaval de Veneza, evento de moda em Milão e provocou o fechamento de escolas e igrejas, principalmente nas regiões do norte de Lombardia e Veneto.

Pelo menos 283 pessoas foram infectadas pelo vírus e sete morreram no país europeu. O número aumentou em razão de casos notificados entre segunda e terça-feira pelo Departamento de Proteção Civil italiano.

O surto se concentra principalmente no norte do país, onde ao menos 11 cidades foram colocadas sob quarentena. Cerca de 100 mil pessoas nessas regiões enfrentam viagens e outras restrições.

Nos últimos dias, a Áustria interrompeu temporariamente o tráfego ferroviário através de sua fronteira com a Itália.

Nesta terça-feira, Hong Kong anunciou que as escolas permanecerão fechadas pelo menos até 19 de abril para impedir a propagação do novo coronavírus. Já são 81 casos, incluindo duas mortes.

Como precaução, o aeroporto de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, interromperá as conexões com o Irã, exceto para a capital Teerã. "Todos os passageiros que chegam em voos diretos de Teerã receberão triagem térmica no aeroporto", disse um porta-voz do aeroporto. Mais de 86 milhões de pessoas viajaram pelo aeroporto de Dubai no ano passado, considerado um dos mais movimentados do mundo.

A medida ocorre em razão dos casos que se espalham pelo Irã. O Ministério da Saúde iraniano confirmou 95 casos e 15 mortos. Na segunda-feira, o parlamentar Ahmad Amirabadi Farahani da cidade de Qom acusou o governo de não falar a verdade sobre o registro de mortos pela doença.

No Irã, escolas foram fechadas e começou a higienização diária dos ônibus e do metrô de Teerã, usados por 3 milhões de pessoas diariamente.

Na segunda-feira, 24, foram notificados casos para a doença no Kuwait (8) e em Omã (2), ambos países árabes.

Iraque, Afeganistão e Bahrein também registraram os primeiros casos na segunda-feira. Todos os pacientes infectados tinham ligações com o Irã.

OMS

Como os surtos cresceram em mais países, a Organização Mundial de Saúde (OMS) disse que o COVID-19 tinha potencial para ser uma pandemia, mas ainda não o era. "As últimas semanas demonstraram a rapidez com que um novo vírus pode se espalhar pelo mundo e causar amplo medo e perturbações", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Mas "no momento não estamos testemunhando a disseminação global e contida deste vírus", disse ele.

Navio Diamond Princess

Nesta terça-feira, o Ministério da Saúde do Japão informou que morreu um passageiro de 80 anos do navio Diamond Princess, que estava em quarentena no país asiático. Esta é a quarta vítima fatal.

No entanto, a causa da morte ainda não foi confirmada e não foram fornecidos detalhes se o passageiro havia testado positivo para o novo coronavírus.

O Diamond Princess ficou atracado em na cidade japonesa Yokohama por duas semanas, enquanto estava em quarentena, e quase 700 casos de coronavírus foram ligados ao navio.

Brasil monitorando passageiros vindos de Itália, França e Alemanha

O Ministério da Saúde adicionou na segunda-feira países na lista de alerta do novo coronavírus, incluindo os primeiros três da Europa: Itália, Alemanha, França. Além desses, entram no rol do governo federal Austrália, Filipinas, Malásia, Irã e Emirados Árabes.

Isso significa que serão considerados suspeitos da doença passageiros que estiveram nesses locais e que apresentem sintomas da doença, como febre e tosse. O novo enquadramento, antecipado pelo jornal O Estado de S. Paulo, é resultado da confirmação da transmissão do vírus dentro desses países.

Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério, Wanderson Oliveira afirmou que o Brasil não cogita adotar medidas restritivas, como impedir a circulação de pessoas ou mercadorias.

O secretário disse que medir a temperatura de todos os passageiros vindos de países sob alerta também seria ineficaz. "Muitos casos se transmitem mesmo sem febre. Ou seja, temos situações que passam fora deste padrão."

"O que estamos trabalhando é para que equipes de saúde estejam atentas. Para que no momento em que uma pessoa que tem histórico de viagem (por um das países da lista) procurar serviços de saúde, seja investigado também a possibilidade de novo coronavírus", afirmou o secretário.

Em conversa exclusiva com o jornal O Estado de S. Paulo e com o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que o Brasil está acompanhando a situação do novo coronavírus na Itália e seguirá as orientações da OMS para evitar que a epidemia chegue ao País. "Não faríamos nada isoladamente", disse o ministro.

Cotidiano