PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Coronavírus já pressiona SUS e hospitais privados em São Paulo

Obras de instalação do hospital de campanha que está sendo montado no Estádio do Pacaembu, na zona oeste de São Paulo - SUAMY BEYDOUN/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO
Obras de instalação do hospital de campanha que está sendo montado no Estádio do Pacaembu, na zona oeste de São Paulo Imagem: SUAMY BEYDOUN/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Fabiana Cambricoli, Paula Felix e Giovana Girardi

São Paulo

02/04/2020 12h30

Embora o pico do surto de coronavírus não tenha sido alcançado no Brasil, os sistemas de saúde público e privado já enfrentam sobrecarga por causa do aumento do número de internações e registram até 38% de seus leitos ocupados com pacientes com infecção suspeita ou confirmada da doença.

O jornal O Estado de S. Paulo coletou dados e ouviu relatos de profissionais e pacientes de 12 hospitais da rede pública e particular do País. As informações mostram que, com o número crescente de internações por problemas respiratórios nas unidades, UTIs já estão no limite, pacientes esperam mais de 24 horas por leitos e hospitais presenciam sua capacidade ser tomada cada vez mais por pacientes com sintomas da covid-19.

Só na rede de hospitais Sancta Maggiore, que conta com oito unidades administradas pela operadora Prevent Senior, já são 275 pessoas hospitalizadas com suspeita ou confirmação da doença, o equivalente a 38% de um total de 727 leitos. Nos Hospitais Sírio Libanês e Albert Einstein, os pacientes com quadro provável de covid-19 já ocupam mais de 20% dos leitos existentes. No Sírio, são 120 hospitalizações de um total de 479 leitos, o equivalente a 25% da capacidade. No Einstein, são 128 internados com suspeita ou confirmação de coronavírus para 637 leitos (20% do total). Ao menos 37 deles estão na UTI.

Hospitais de fora de São Paulo e de menor porte também já observam o impacto da epidemia. No Albert Sabin, unidade com 60 leitos na Lapa (zona oeste), metade da UTI já está preenchida por pacientes com suspeita ou confirmação de coronavírus. No Moinhos de Vento, um dos hospitais mais importantes de Porto Alegre, 62 leitos estão ocupados por pacientes com sintomas de covid-19 e 25% da UTI tem pacientes com quadros graves da doença.

Leitos de UTI são os que estão sofrendo primeiro o impacto da alta demanda provocada pelo surto, conforme relatos de médicos ouvidos pelo Estado. "Hoje abrimos a terceira UTI exclusiva para pacientes com suspeita da doença. Abrimos uma, lotou. Abrimos a segunda e lotou. Se continuar assim e não forem abertos locais extras, daqui a duas semanas não teremos leitos suficientes", relata o infectologista Munyr Ayub, do Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André, no ABC paulista.

O especialista diz que cada uma das UTIs do hospital comporta 14 pacientes e está sendo ocupada rapidamente. Situação semelhante é observada na Santa Casa de São Paulo. "Da semana passada para cá começaram a chegar mais casos graves. A UTI de adulto já está no limite porque, além do aumento de casos, o tempo de permanência dos pacientes graves é alto. Então chegam novos pacientes e não conseguimos liberar o leito de quem chegou na semana passada porque não tem uma rotatividade rápida", conta Marco Aurélio Safadi, médico da Santa Casa e professor de infectologia da Faculdade de Ciências Médicas da instituição.

No Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo, uma das UTIs já foi dedicada exclusivamente aos pacientes com covid-19. Ao menos 30 pacientes estão em estado grave na unidade, segundo funcionários relataram à reportagem.

A alta demanda também faz doentes encontrarem dificuldades para internação em UTI. No último fim de semana, a aposentada N., de 74 anos, esperou 24 horas sentada em uma cadeira de plástico por um leito de UTI no pronto-socorro do Hospital Santa Marcelina, na zona leste.

Com dores no peito e febre, ela ficou confinada em uma sala pequena com outros quatro pacientes à espera da vaga. "Ela chegou às 20 horas do sábado, fez tomografia e o médico disse que já tinha lesão no pulmão e provavelmente era por covid-19. Como ela é idosa, ele já encaminhou para UTI, mas só foram liberar o leito dela às 20 horas do domingo. Isso porque ela estava na parte do convênio e não do SUS", conta a filha de N., que não quis se identificar porque a mãe ainda está internada no local. Procurado, o Santa Marcelina não respondeu aos questionamentos da reportagem.

A velocidade com que as hospitalizações têm crescido em poucos dias chama a atenção dos profissionais e gestores dos centros médicos. No Hospital São Paulo, o número de hospitalizados com suspeita ou confirmação de infecção por coronavírus dobrou em apenas quatro dias, chegando a 46. Segundo os hospitais, só não há falta de leitos porque, com o adiamento de procedimentos eletivos, houve uma diminuição das internações por outras causas, deixando mais vagas livres para pacientes com covid-19. Einstein e Sírio também estão transformando leitos comuns em UTIs. A Hapvida, maior operadora de planos de saúde do Nordeste e que já tem 68 pacientes com a doença, também anunciou que transformará 220 leitos de baixa complexidade em UTI.

Dura rotina

"Hoje até agradeço por morar sozinha, porque se tivesse de trabalhar de frente com esse coronavírus morando com os meus pais, acho que já teria mudado de casa para não ficar perto deles. Mas é muito mais difícil, porque não sei quando vou poder vê-los. E o medo de adoecer sozinha é muito angustiante." A declaração é da médica intensivista Amanda Gomes, de 31 anos, ao contar como tem sido sua rotina.

De voz serena, ela relata que atua diariamente em plantões de 12 horas na UTI de um hospital público de São Paulo. "A gente sabe como tratar as complicações, mas o que vem no dia seguinte é tudo muito novo."

Mineira de Barbacena, Amanda está há um ano como intensivista no Hospital Geral do Grajaú. Ela permanece paramentada o tempo todo, ao longo das 12 horas do plantão, e conta sentir muita dor. No último fim de semana, publicou nas redes sociais uma foto com seu rosto profundamente marcado. "A máscara é cheia de ferro, porque tem de vedar o rosto todo. Então machuca muito", afirma.

"A gente não fica com leito vago nem na UTI respiratória nem nas outras. Estamos fechando UTIs para o coronavírus, mas as outras doenças não param", diz a médica, defendendo que as pessoas permaneçam em casa. "É o que queremos evitar: o colapso que está por vir."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Coronavírus