PUBLICIDADE
Topo

Sem evidência, governo liga cloroquina a contágio menor

Mateus Vargas

Brasília

10/07/2020 08h13

Sem apresentar evidências, o Ministério da Saúde disse nesta quinta-feira, 9, que o uso precoce de medicamentos, especialmente a cloroquina e a hidroxicloroquina, fez a pandemia perder força em alguns locais do País. Só ontem, o Brasil registrou 1.199 novas mortes e 42.907 novos casos.

No total, já são 69.254 óbitos pela doença e 1.759.103 infectados. Os dados são de levantamento conjunto feito pelos veículos de comunicação Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha de S. Paulo e UOL com as secretarias estaduais de Saúde

"O número absoluto (de casos) segue crescendo, mas a velocidade vem diminuindo. Há evidências também de que em algumas cidades e Estados aplicou-se o tratamento medicamentoso precoce, justamente o que contribui para o decréscimo dessa curva pandêmica", disse o secretário executivo do ministério, Elcio Franco.

Secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos, Hélio Angotti Neto foi mais cauteloso. "Sim, há indícios, divulgados em vários lugares da internet, mas ainda não podemos afirmar de forma inequívoca que o uso de específico da cloroquina reduziu o número de casos graves no País."

Não há estudo científico que mostre benefício da cloroquina contra a covid-19. O uso da droga tem sido defendido pelo presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia. Diagnosticado com a doença, ele diz estar tomando o remédio.

Franco voltou a dizer que a orientação da pasta deixou de ser para "ficar em casa", em caso de suspeita da covid-19. A sugestão é buscar o médico. Segundo ele, o SUS está preparado para atender à demanda.

O ministério disse ainda que apenas 12% dos hospitais filantrópicos e Santas Casas receberam a sua parcela entre os R$ 2 bilhões liberados pelo governo federal por meio de lei aprovada no fim de março. Segundo Franco, Estados e municípios devem descentralizar o recurso repassado pela União.

Sobre o abastecimento de sedativos - em falta nos hospitais, segundo relatos de secretarias de Saúde -, o ministério disse ter requisitado estoques de indústrias nacionais e abriu pregão para compra.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Cotidiano