PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês
Segurança reage à agressão e esfaqueia cliente que se recusou a usar máscara

Leonardo Augusto, especial para O Estadão

19/09/2020 20h14Atualizada em 20/09/2020 14h25

Um segurança da loja Americanas Express na Regional Barreiro, em Belo Horizonte (MG), esfaqueou na noite de sexta-feira (18) um cliente que se recusou a usar máscara para entrar na loja. Segundo boletim de ocorrência da Polícia Militar, o cliente, Aldair Oliveira de Souza, de 24 anos, levou oito facadas no abdômen, costas e braços e está internado no Hospital de Pronto Socorro João XXIII.

O segurança, Matheus Rodolfo Luis da Silva, de 26 anos, afirmou à polícia que tentou orientar o cliente que não seria possível entrar na loja sem a proteção no rosto, por causa da pandemia do coronavírus. O cliente, ainda segundo o segurança, em resposta disse que conhecia "a quebrada toda".

Neste momento, Aldair teria pegado uma garrafa de álcool e tentado atirar contra o segurança, além de ter-lhe acertado um chute. Os dois começaram a brigar e o funcionário da loja usou uma faca que utilizava para cortar caixas de papelão, conforme relatou à polícia, para os golpes.

O cliente foi encontrado pelos PMs deitado dentro da loja e sangrando. O homem teria ido ao local comprar água oxigenada. A loja é equipada com câmeras de segurança. As imagens serão enviadas à Polícia Civil. O funcionário da empresa também foi encaminhado para a unidade de saúde, mas com ferimentos leves.

Em nota, a Americanas lamentou o episódio e disse repudiar qualquer forma de violência. Após apuração interna, a empresa identificou que Aldair, " já conhecido por furtos e ameaças anteriores", entrou na loja sem máscara e, ao ser questionado, "discordou e atacou o associado da Americanas com um chute".

"A companhia orienta e treina seus funcionários a não adotarem uma postura agressiva sob qualquer circunstância, mesmo que reagindo a uma agressão anterior, mas a chamar a polícia imediatamente. A Americanas segue acompanhando as investigações policiais para tomar as medidas cabíveis", completou.

Cotidiano