PUBLICIDADE
Topo

Política

Para Bolsonaro, sobrevivência do governo está na eleição do Congresso, diz CEO da Arko Advice

Para Bolsonaro, sobrevivência do governo está na eleição do Congresso, diz CEO da Arko Advice -                                 MARCOS CORRÊA/PR
Para Bolsonaro, sobrevivência do governo está na eleição do Congresso, diz CEO da Arko Advice Imagem: MARCOS CORRÊA/PR

Altamiro Silva Junior

São Paulo

18/01/2021 19h04

O presidente Jair Bolsonaro está jogando a sobrevivência do seu governo na eleição para o comando da Câmara e do Senado, disse o CEO da Arko Advice, Murillo de Aragão, em live da Genial Investimentos nesta segunda-feira, 18.

Com presidentes hostis na Câmara e Senado, isso pode trazer problemas importantes ao presidente, afirmou Aragão. "Para Bolsonaro, Artur Lira (PP-AL) ganhar a eleição é fundamental", disse o analista político, prevendo que o chefe do Executivo vai se envolver ainda mais no processo eleitoral para as mesas diretoras das Casas.

Contudo, na avaliação de Aragão, os dois principais nomes colocados - além de Lira, Baleia Rossi (MDB-SP) - defendem as reformas.

O fato de ser um ou outro não significa que o cenário para reformas ficaria muito ruim ou muito fácil. "Não é automático que ganhando o Lira está tudo bem e ganhando o Baleia está tudo ruim", comentou Aragão. "Quem vai arbitrar o andamento das reformas é o mercado."

Aragão pontua que Baleia Rossi "não é político de confronto". "Ele tem perfil mais ameno que Rodrigo Maia, que é mais temperamental", disse, em referência ao atual presidente da Câmara, que se tornou desafeto de Bolsonaro nos últimos meses e que apoia o emedebista.

Outro ponto mencionado por Aragão foi o processo de vacinação no Brasil, que, segundo ele, é o mais atrasado entre as maiores economias do mundo. "Bolsonaro desqualificou a vacina do governador paulista João Doria e no final das contas está precisando da vacina do Doria para iniciar o processo. O Brasil está entrando muito atrasado na vacinação", completou, citando ainda a interferência de Bolsonaro no Banco do Brasil como outro ponto negativo para o Planalto.

Política