PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Freixo afirma que depoimentos de Mandetta e Teich atestam crime de Bolsonaro

Deputado Marcelo Freixo diz que depoimentos de ex-ministros da Saúde "são provas cabais" de que o presidente Jair Bolsonaro cometeu crime contra a saúde pública - Valter Campanato/Agência Brasil
Deputado Marcelo Freixo diz que depoimentos de ex-ministros da Saúde "são provas cabais" de que o presidente Jair Bolsonaro cometeu crime contra a saúde pública Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

Bruno de Castro

05/05/2021 15h22Atualizada em 05/05/2021 16h09

O líder da Minoria da Câmara, deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), afirmou que os depoimentos dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich "são provas cabais" de que o presidente Jair Bolsonaro cometeu crime contra a saúde pública.

"Os depoimentos de Teich e Mandetta são provas cabais de que Bolsonaro cometeu crime contra a saúde pública por 'expor a vida de outrem' ao recomendar medicamentos ineficazes que provocam efeitos colaterais graves e podem matar", escreveu Freixo em seu perfil no Twitter.

O ex-ministro Mandetta prestou depoimento ontem à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 no Senado. Hoje, os senadores ouvem Teich. A comissão investiga a atuação do governo federal no combate à pandemia e o repasse de recursos federais para Estados e municípios para o enfrentamento da doença e seus impactos.

Freixo quer ainda que o presidente da República responda criminalmente pela recomendação da cloroquina para o tratamento de covid-19. O medicamento não tem eficácia comprovada cientificamente para combater o novo coronavírus. "Impeachment e cadeia", concluiu.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.