PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Bolsonaro: Acredito que um terço dos meus ministros se lance candidato em 2022

Gustavo Côrtes e Pedro Caramuru

Brasília e São Paulo

27/07/2021 20h13

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) prevê que cerca de um terço dos ministros de seu governo sejam candidatos nas eleições de 2022. Para ele, a perspectiva de vitória no pleito do ano que vem serve como estímulo ao trabalho dos chefes das pastas. "Eu já falei com eles. Quem quiser vir candidato, boa sorte. Eles sabem muito bem que eles têm chance de vitória se eu estiver bem", declarou nesta terça-feira (27) em entrevista à Rede Nordeste de rádio.

Entusiasta da candidatura do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, ao governo de São Paulo, Bolsonaro o elogiou pelo trabalho à frente da pasta e garantiu que teria sucesso em eventual gestão no Poder Executivo. "Está fazendo um brilhante trabalho. Depende dele. Se assumir um cargo no Executivo, dará um show", disse. Ao indicar Tarcísio, o presidente preteriria o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, que deixou o governo após pressões e já manifestou interesse pelo cargo.

Já quanto à possível disputa do ministro do Turismo, Gilson Machado, ao governo de Pernambuco demonstrou ceticismo, por considerar inviável vencer sem aliança com lideranças do Nordeste, mas projetou vaga no Congresso. "O Gilson talvez no Senado . Talvez. Não posso garantir porque não tenho conversado com ele sobre política."

Bolsonaro atribuiu o recente remanejamento nos ministérios, que resultou na substituição do general Luiz Eduardo Ramos pelo senador Ciro Nogueira (Progressistas-PI) no comando da Casa Civil, à dificuldade do militar em negociar com o Congresso.

"(As reformas ministeriais) acontecem, não são programadas. O general Ramos é meu irmão. Agora, no linguajar com o parlamento, ele tinha dificuldade. É a mesma coisa que pegar o Ciro Nogueira para conversar com os generais do Exército Brasileiro", justificou.

Nogueira integra o chamado centrão, ala fisiológica do parlamento, e foi aliado de Lula, principal antagonista de Bolsonaro no horizonte eleitoral de 2022. Em 2017, às vésperas do pleito presidencial de 2018, chamou o atual presidente de fascista e declarou apoio ao petista, a quem se referiu como o melhor presidente da história. Enalteceu programas sociais de transferência de renda, como Bolsa Família, responsável, em sua avaliação, por melhorar indicadores socioeconômicos do Nordeste, e o programa de moradias populares Minha casa Minha Vida.

Cotidiano