PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Empresários homenageiam militares uma semana após 'recado' pró-voto impresso

Caio Sartori

30/07/2021 21h08

A portas fechadas e em meio à tensão política que envolve militares e o Judiciário por causa da adoção do voto impresso na eleição de 2022, a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) homenageou as Forças Armadas por seu papel "a serviço da paz". Na semana passada, o Estadão revelou que um emissário dos chefes militares avisou ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que com voto apenas eletrônico não haveria eleição no Brasil no ano que vem. Nesta sexta, 30, os empresários fluminenses agraciaram com uma placa elogiosa o ministro da Defesa e ex-interventor da Segurança estadual, general Walter Braga Netto, acompanhado dos comandantes das três Forças.

Como revelou a reportagem, Braga Netto, com apoio dos comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, mandou um emissário a Lira. O aviso deveria ser repassado a quem o presidente da Câmara julgasse conveniente: não haveria eleições de 2022 se não fosse aprovado o voto impresso, comunicou o mensageiro. O discurso repete afirmações do presidente Jair Bolsonaro e virou o principal argumento do mandatário, que enfrenta queda na popularidade e está em desvantagem em pesquisas eleitorais. O projeto, porém, está em situação difícil na Câmara.

A ameaça gerou uma série de manifestações pró-democracia por parte de lideranças da política e do Judiciário. Ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Supremo Tribunal Federal (STF) se mostraram especialmente desconfortáveis com os seguidos ataques, sem provas, feitos por Bolsonaro ao voto eletrônico. O presidente insiste que somente o voto "auditável" - eletrônico, mas com uma cópia em papel - é imune a fraudes. Mas cita, em favor de sua tese, fake news e boatos sobre supostas burlas da votação eletrônica, jamais comprovadas. O TSE, que comanda as eleições, tem rebatido as acusações. A entrada dos militares no apoio à posição do presidente elevou a tensão.

Estiveram presentes, na sede da Firjan, no Centro do Rio, Braga Netto e os comandantes da Marinha, almirante Almir Garnier Santos, e do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira. O comandante da Aeronáutica, brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Junior, enviou um representante. Após cerca de uma hora de trocas de afagos e discursos num auditório do prédio, as autoridades subiram para um local mais reservado.

"É um reconhecimento do papel das Forças Armadas no país e das ações de defesa da segurança pública no Rio de Janeiro, reduzindo os índices de criminalidade no estado", alegou Braga Netto no evento, segundo nota da Firjan.

De acordo com a federação, o evento ‘Homenagem da Indústria ao papel das Forças Armadas a serviço da paz’ teria acontecido no ano passado, mas a pandemia o impediu. Sobre a homenagem aos militares, os industriais disseram que "a Firjan e o Ministério da Defesa mantêm relacionamento institucional histórico e consistente, face à presença intensa da base industrial de defesa no Estado do Rio de Janeiro, além do papel do Senai-RJ como importante agente de prestação de serviços de alta tecnologia para aquela instituição."

A solenidade, dizem os empresários, teve como objeto de tratar de temas como o papel das Forças em operações de apoio humanitário e missões de paz, por exemplo. Além da Firjan, o Sindicato Nacional das Indústrias de Defesa (SIMDE) participou da entrega de placas. Não foi permitida cobertura por órgãos de imprensa.

"Esta homenagem tem por objetivo atender a uma antiga demanda dos empresários do Rio de Janeiro. O intuito deste encontro pode ser resumido em duas palavras: reconhecimento e gratidão. Chamo atenção também para uma característica comum entre o Sistema Firjan e as Forças Armadas: o caráter de instituições permanentes", disse Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente da federação, segundo a nota.

Cotidiano