PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Bolsonaro: 'Sabia que não seria fácil; tínhamos que mudar o destino do Brasil'

Jair Bolsonaro fez declarações para uma plateia que o acompanhava em uma motociata no interior de São Paulo - EPA
Jair Bolsonaro fez declarações para uma plateia que o acompanhava em uma motociata no interior de São Paulo Imagem: EPA

Fabrício de Castro

Brasília

31/07/2021 14h15Atualizada em 31/07/2021 15h25

Em um discurso com tons messiânicos para uma plateia de apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado que seu governo "acredita em Deus, respeita a família e rende homenagem a militares". Além disso, disse que "sabia que não seria fácil", mas que era preciso "mudar o destino do Brasil".

Para uma plateia de motociclistas que o acompanharam em um passeio pelas ruas de Presidente Prudente, no interior de São Paulo, Bolsonaro citou, de forma desencontrada, algumas ideias gerais que sustentam sua base de apoio desde a eleição de 2018.

"Agradeço a Deus por minha vida. Este evento de hoje marca também nossa vida. Não existe satisfação maior para político que ser recebido desta forma em qualquer lugar do Brasil", afirmou o presidente. "Mais importante que a própria vida é a nossa liberdade", acrescentou.

Bolsonaro disse ainda que, na função de presidente da República, faz o que o povo quer que seja feito. "Tudo faremos para que nosso Brasil seja realmente uma grande nação", disse, sem se referir a algo específico. "Não dou recado, apenas transmito o que recebo de vocês", acrescentou, também sem explicar a referência.

Bolsonaro participou neste sábado de passeio de motocicletas em Presidente Prudente, no interior de São Paulo. Nesta tarde, ele visita um hospital na cidade e se reúne com prefeitos da região.

O governo Bolsonaro teve início em 1º de janeiro de 2019, com a posse do presidente Jair Bolsonaro (então no PSL) e de seu vice-presidente, o general Hamilton Mourão (PRTB). Ao longo de seu mandato, Bolsonaro saiu do PSL e ficou sem partido. Os ministérios contam com alta participação de militares. Bolsonaro coloca seu alinhamento político à direita e entre os conservadores nos costumes.