PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Força-tarefa faz Operação 'Cavalo-Marinho' contra gigante estaleiro

Polícia Civil participa da Operação Cavalo-Marinho  - Divulgação
Polícia Civil participa da Operação Cavalo-Marinho Imagem: Divulgação

Do Estadão Conteúdo, em São Paulo

22/09/2021 11h30Atualizada em 22/09/2021 19h49

O Cira (Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos) de São Paulo —formado por integrantes da Secretaria da Fazenda e do Planejamento, do Ministério Público Estadual e da Procuradoria Geral do Estado— abriu na manhã desta quarta-feira, 22, a Operação Cavalo-Marinho no encalço de um dos maiores estaleiros da América Latina, o Intermarine. A ofensiva mira suposta fraude fiscal estruturada no ramo de embarcações de luxo, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

De acordo com a força-tarefa, o estaleiro - principal alvo da ação - é responsável por uma dívida superior a R$ 54 milhões com o Estado de São Paulo e de aproximadamente R$ 490 milhões com a União - "fruto de contumaz e sistemática inadimplência tributária e uma sofisticada blindagem patrimonial", diz a força-tarefa.

A operação vasculha 19 endereços em Osasco, São Paulo, Barueri, Itupeva, Jundiaí e Mairiporã.

Participam da ofensiva, 16 promotores de Justiça, 11 servidores do Ministério Público, 45 agentes fiscais de Renda, 19 procuradores do Estado, 16 procuradores da Fazenda Nacional, além de 41 equipes das divisões de Captura e Garra da Polícia Civil e de policiais militares do Estado de São Paulo.

De acordo com as investigações, a fraude tinha início com a inserção de 'laranjas' na estrutura societária das empresas do grupo sob suspeita.

Uma dessas pessoas interpostas é um conhecido cavaleiro, diz a força-tarefa, o que acabou gerando o nome da ofensiva. 'Cavalo-Marinho', faz referência à "conjunção da atividade náutica com a prática do hipismo".

Além disso, o Cira suspeita que a venda das embarcações ocorria com "substancial subfaturamento".

Outro lado

"A defesa da Intermarine esclarece que a empresa não foi notificada e ainda não tem informações detalhadas do processo que motivou a operação desta manhã. A empresa é a maior interessada em esclarecer todos os pontos e não medirá esforços para colaborar com as autoridades no que for necessário. A defesa, em breve, irá comprovar, perante a Justiça, a lisura da atuação da Intermarine e de seus sócios."

Cotidiano