PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Bolsonaro volta a atacar Calheiros e dispara: 'Vagabundo é elogio para ele'

Davi Medeiros

São Paulo

21/10/2021 12h30Atualizada em 21/10/2021 13h47

Indiciado por crimes contra a humanidade e outros delitos no relatório final da CPI da Covid, o presidente Jair Bolsonaro fez críticas nesta quinta-feira, 21, ao relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL). Após a apresentação do parecer, que será votado na semana que vem, o chefe do Executivo fez questão de mencionar o político alagoano em seu discurso durante cerimônia de inauguração de obra do Projeto de Integração do Rio São Francisco, em São José de Piranhas (PB).

Enquanto pessoas na plateia gritavam "vagabundo" referindo-se ao senador, o presidente respondeu: "Vagabundo é elogio para ele. Não há maracutaia em Brasília que não tenha o nome do Renan envolvido".

"Imagina a desgraça que seria o Brasil se Renan fosse o presidente do Senado", continuou Bolsonaro, lembrando de quando o senador ensaiou candidatura para voltar à presidência da Casa, em 2019, antes de desistir da disputa. "Apesar de ser nordestino, nunca fez nada nem por Alagoas, quem dirá pelo Brasil".

Bolsonaro voltou a defender o "tratamento precoce" contra a covid, argumentando que sua defesa pelos medicamentos hidroxicloroquina e ivermectina é pautada pela autonomia médica. "Por que essa perseguição? Por que não dar chance ao médico na ponta da linha nos atender, nos receitar algo?", questionou.

O presidente afirmou ainda que seu governo "jamais defenderá a obrigatoriedade da vacinação", embora, segundo ele, tenha sido o único responsável por ofertar imunizantes a todos os brasileiros. Bolsonaro lembrou que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que também esteve na cerimônia, contraiu covid mesmo após ter tomado a vacina, lançando, mais uma vez, dúvidas sobre a eficácia do produto.

"Eu não tomei a vacina, quem quiser seguir meu exemplo, que siga", disse o mandatário, contrariando as recomendações do próprio Ministério da Saúde e de especialistas do mundo todo.

O UOL tenta contato com o senador Renan Calheiros para um posicionamento.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.