PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Polícia e MP-RJ prendem vereador Carlinhos da Barreira e 2 PMs por extorsão

Redação, O Estado de S.Paulo

São Paulo

22/10/2021 16h42

Uma força-tarefa formada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, a Polícia Civil e a Corregedoria-Geral da Polícia Militar fluminense prendeu nesta sexta-feira, 22, o vereador de Duque de Caxias Carlos Augusto Pereira Sodré, conhecido como Carlinhos da Barreira, e dois policiais militares sob acusações de agiotagem e extorsão. A Promotoria do Rio ainda imputa ao parlamentar supostos crimes de lavagem de dinheiro e fraude à licitação.

As medidas foram cumpridas no âmbito da Operação Barreira Petrópolis, que ainda executou 17 mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos denunciados. As ordens foram expedidas pela 1ª Vara Criminal Especializada da Capital, que ainda determinou o sequestro de bens imóveis e valores de Carlinhos da Barreira.

De acordo com a Promotoria, as investigações apontam que o vereador emprestava dinheiro a pessoas e exigia o pagamento de juros mensais. Uma das vítimas foi um empresário do ramo de automóveis, para quem o vereador emprestou, em janeiro de 2019, R$ 1 milhão, por meio da compra de veículos indicados pelo homem. O MP-RJ indica que Carlinhos da Barreira teria exigido pagamento de 3,5% mensais do valor emprestado a título de juros.

A denúncia apresentada à Justiça fluminense indica que um ano, quando o empresário não conseguiu pagar o 'empréstimo', Carlinhos da Barreira acionou os policiais militares Ricardo Silva dos Santos e Carlos Alexandre da Silva Alves - também denunciados - para ameaçá-lo de morte. Ainda segundo o Ministério Público fluminense, Ricardo também cometeu o crime de usura pecuniária, uma vez que recebia, em sua conta bancária, os juros ilegais do empréstimo.

A Promotoria ainda acusa o vereador pela prática de fraude à licitação. Segundo a denúncia, a empresa da qual parlamentar é sócio, Sodré Serviços de Transportes Locação de Máquinas e Equipamentos, recebeu R$8.546.367,56, em 109 diferentes operações bancárias, de uma outra companhia que era contratada, entre 2013 e 2016, pela Prefeitura de Duque de Caxias.

"Outras três empresas, TGM Locação de Máquinas e Equipamentos, V.F. da Rosa Refeições e Hashimoto Manutenção Elétrica e Comércio, também celebraram contratos administrativos com a Prefeitura de Duque de Caxias, entre 2017 e 2018, e repassaram um total de R$4.193.624,62 para as contas da Sodré Serviços de Transportes Locação de Máquinas e Equipamentos", explicou ainda o MP-RJ.

As investigações também apontaram que, entre janeiro de 2015 e agosto de 2020, Carlinhos da Barreira 'dissimulou, de forma reiterada', a origem de R$62.360.738,52, 'provenientes das práticas criminosas', segundo os promotores.

COM A PALAVRA, O VEREADOR E OS PMS

A reportagem buscou contato com os denunciados e, até a publicação desta matéria, ainda aguardava resposta. O espaço permanece aberto a manifestações.

Cotidiano